Altice não muda planos mesmo que falhe compra da TVI

CEO do grupo francês garante que conteúdos serão disponibilizados à concorrência. E assegura liberdade editorial total da Media Capital.

A Altice não revela qual o plano B caso a compra da Media Capital não obtenha luz verde da Autoridade da Concorrência, mas o grupo dono do Meo deixa a garantia: a estratégia de convergência entre telecomunicações e media é para manter.

"A nossa estratégia não vai mudar. A maior convergência entre media e telecomunicações é boa para o grupo e vamos continuar em todos os países em que estamos presentes," garante Alain Weill, CEO da Altice Media, num encontro com jornalistas em Paris. Os motivos são simples: com esta estratégia há menos churn (mudança de clientes), aumento da receita média por cliente e as margens melhoram.

A operação de mais de 440 milhões de euros está a levantar forte oposição dos concorrentes NOS e Vodafone que temem que os conteúdos da TVI lhes fiquem vedados, hipótese que o grupo fundado por Patrick Drahi tem sempre negado. E o mesmo diz Alain Weill. O CEO da Altice volta a garantir que em Portugal os conteúdos TVI serão disponibilizados à concorrência. "Não há risco de termos a TVI e a TVI24 reservada para os clientes Meo, será distribuída nas outras plataformas. A Altice foi firme, não quer o exclusivo da TVI e da TVI24, mas é importante para as telecom assegurar acesso aos conteúdos no futuro", justifica. "Queremos desenvolver o negócio de media em Portugal", diz Alain Weill. Por isso, a ideia é desenvolver novos projetos, como "novos canais de séries ou cinema". "Tal como em França, a operação de fusão entre a Media Capital e a PT trará uma série de novas propostas para a TVI."

Em França, desde 2015, altura em que a Altice assumiu o controlo do grupo NextRadioTV, o grupo já criou mais sete canais de televisão, do quais cinco de desporto com a SFR potenciando os direitos desportivos como a Liga dos Campeões adquiridos para França. Um conjunto de novos projetos que teve um impacto de 20 milhões ao nível de custos nos resultados do grupo, adianta Weill. E há planos de no próximo ano arrancar com mais dez canais regionais de informação. Estratégia que pode ser replicada em Portugal.

"Estou muito seguro de que os reguladores farão o seu trabalho da melhor maneira e esperamos finalizar esta compra", assegura Michel Combes. O CEO da Altice tentou afastar receios de que a concentração de ativos de media e de telecomunicações possam gerar situações de perigo de pluralismo nos media ou de interferência a nível editorial. "A Media Capital terá toda a liberdade editorial em termos de conteúdos, como todos os media que temos" em outros mercados, garante.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.