Altice não muda planos mesmo que falhe compra da TVI

CEO do grupo francês garante que conteúdos serão disponibilizados à concorrência. E assegura liberdade editorial total da Media Capital.

A Altice não revela qual o plano B caso a compra da Media Capital não obtenha luz verde da Autoridade da Concorrência, mas o grupo dono do Meo deixa a garantia: a estratégia de convergência entre telecomunicações e media é para manter.

"A nossa estratégia não vai mudar. A maior convergência entre media e telecomunicações é boa para o grupo e vamos continuar em todos os países em que estamos presentes," garante Alain Weill, CEO da Altice Media, num encontro com jornalistas em Paris. Os motivos são simples: com esta estratégia há menos churn (mudança de clientes), aumento da receita média por cliente e as margens melhoram.

A operação de mais de 440 milhões de euros está a levantar forte oposição dos concorrentes NOS e Vodafone que temem que os conteúdos da TVI lhes fiquem vedados, hipótese que o grupo fundado por Patrick Drahi tem sempre negado. E o mesmo diz Alain Weill. O CEO da Altice volta a garantir que em Portugal os conteúdos TVI serão disponibilizados à concorrência. "Não há risco de termos a TVI e a TVI24 reservada para os clientes Meo, será distribuída nas outras plataformas. A Altice foi firme, não quer o exclusivo da TVI e da TVI24, mas é importante para as telecom assegurar acesso aos conteúdos no futuro", justifica. "Queremos desenvolver o negócio de media em Portugal", diz Alain Weill. Por isso, a ideia é desenvolver novos projetos, como "novos canais de séries ou cinema". "Tal como em França, a operação de fusão entre a Media Capital e a PT trará uma série de novas propostas para a TVI."

Em França, desde 2015, altura em que a Altice assumiu o controlo do grupo NextRadioTV, o grupo já criou mais sete canais de televisão, do quais cinco de desporto com a SFR potenciando os direitos desportivos como a Liga dos Campeões adquiridos para França. Um conjunto de novos projetos que teve um impacto de 20 milhões ao nível de custos nos resultados do grupo, adianta Weill. E há planos de no próximo ano arrancar com mais dez canais regionais de informação. Estratégia que pode ser replicada em Portugal.

"Estou muito seguro de que os reguladores farão o seu trabalho da melhor maneira e esperamos finalizar esta compra", assegura Michel Combes. O CEO da Altice tentou afastar receios de que a concentração de ativos de media e de telecomunicações possam gerar situações de perigo de pluralismo nos media ou de interferência a nível editorial. "A Media Capital terá toda a liberdade editorial em termos de conteúdos, como todos os media que temos" em outros mercados, garante.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.