Aliado de Trump acusa jornalista da Fox: "Você está fascinada com sexo"

Megyn Kelly, que tem longo historial de críticas a Trump, foi "enxovalhada" em direto por Newt Gingrich, mas não deixou de responder

Newt Gingrich, antigo presidente da Câmara dos Representantes dos EUA e apoiante de Donald Trump, deu uma entrevista peculiar à jornalista Megyn Kelly, da Fox News, que acabaria por terminar depois de o político republicano acusar a pivô de estar "fascinada com sexo".

Aconteceu no programa "The Kelly File", depois de Kelly trazer à entrevista a questão dos escândalos sexuais em que Trump está envolvido. Gingrich não gostou e a conversa subiu de tom, denunciando a atenção excessiva que a comunicação social tem dado às acusações feitas a Trump . E atacou mesmo a pivô: "Você está fascinada com sexo e não se preocupa com as políticas públicas".

Kelly não se deixou ficar e respondeu que estava fascinada apenas com a "proteção das mulheres" e a tentar perceber quem irão ter os americanos na Sala Oval da Casa Branca. Gingrich, por sua vez, quis saber porque não falava então dos casos de alegado abuso sexual que envolvem Bill Clinton, antigo presidente e marido da candidata republicana à Casa Branca, tendo a jornalista referido que já o tinha feito e sublinhando que não é Bill Clinton quem está em campanha eleitoral. "As sondagens mostram que o público americano está menos interessado nos assuntos do marido de Hillary Clinton do que nos assuntos do homem que lhes pede para fazerem dele presidente, Donald Trump", concluiu a pivô.

Kelly não quis discutir mais e deu a conversa por terminada, dizendo a Gingrich que podia "pegar nos seus problemas de raiva e tentar resolvê-los".

Megyn Kelly e Donald Trump estão em guerra desde agosto de 2015 quando, num debate ainda durante as eleições primárias do partido republicano, a apresentadora questionou o magnata sobre comentários sexistas que tinha feito. Trump não gostou e, na altura, deixou várias criticas à jornalista nas redes sociais, dizendo que Kelly tinha "sangue a sair-lhe dos olhos, a sair-lhe de todo o lado", entre outros comentários mais agressivos. Desde então, recusa-se a comparecer no programa de entrevistas da pivô.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.