A TDT é "uma fraude" tal como foi concebida, diz José Eduardo Moniz

O antigo diretor-geral da TVI afirmou que não existe multiplicidade de oferta na TDT em Portugal

O consultor de conteúdos e antigo diretor-geral da TVI, José Eduardo Moniz, afirmou hoje que a televisão digital terrestre (TDT), tal como foi concebida, é "uma fraude".

José Eduardo Moniz falava num debate onde participava Nuno Artur Silva, vogal do Conselho de Administração da RTP, no âmbito da apresentação do estudo "As novas dinâmicas do consumo audiovisual em Portugal", da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC), em parceria com a Universidade Católica e a GfK, que decorreu em Lisboa.

A TDT, tal "como foi concebida em Portugal, é uma fraude", "não há multiplicidade de oferta" nesta plataforma, considerou José Eduardo Moniz. O consultor de conteúdos alertou que, perante isto, "a cobertura digital deixou de ter o valor que tinha".

Para Nuno Artur Silva, "a história da televisão em Portugal é que todos os grandes arranques não começaram da melhor forma", aludindo à TDT, e lembrou que quem tem a concessão da rede [Meo, da PT Portugal, grupo Altice] é "também um dos interessados que ela não vá para a frente".

Já José Eduardo Moniz disse não saber se ainda "se vai a tempo de transformar a TDT em alguma coisa" no mercado português. "Acho que não vamos a tempo", considerou o consultor de conteúdos da TVI. "Qual é a oferta que a TDT vai ter", questionou, salientando que se não houver um "preço módico" para os canais estarem presentes naquela plataforma, o alargamento da oferta será difícil. "O que importa é que os canais consigam entender-se" relativamente a uma estratégica, "essa é a questão de fundo", considerou. José Eduardo Moniz rejeitou a ideia de se pressionar o poder político sobre esta matéria, lembrando que os governos são transitórios.

Já Nuno Artur Silva reiterou a posição da RTP, em ter "todos os canais" disponíveis na TDT (em sinal aberto), defendendo que os privados também deveriam estar presentes. "O que os privados mais querem é deixar as coisas como estão", acrescentou, enquanto José Eduardo Moniz apontou que se a TDT "tiver um custo justo distribuição" todos os operadores vão querer estar na TDT.

Para o consultor de conteúdos, tudo "depende das condições", e sublinhou que o preço a pagar para os canais estarem presentes na televisão digital terrestre "é um esbulho", classificando de "erro brutal" o que se está a passar em Portugal. As soluções poderão passar, segundo o responsável, ou pelo pagamento de uma taxa por parte dos canais ou então a própria TDT paga um montante para que os canais estejam presentes na rede.

O também antigo diretor-geral da RTP considerou que as televisões têm de ter capacidade de se transformar "numa marca de qualidade" para resistir no futuro. "Temos de ser bons no que fazemos e temos de ser muito ativos face às novas tendências", considerou.

No que respeita ao papel das televisões generalistas relativamente aos direitos de transmissão desportivos, que atualmente em Portugal são detidos por operadores de telecomunicações e Sport TV, José Eduardo Moniz considerou existir a necessidade de "grande reformulação dos modelos de negócio".

"As regras de jogo estão a mudar", salientou.

Nuno Artur Silva defendeu a importância do serviço público e apontou que se a RTP "saísse de cena deixaria de haver produção regular de documentários, séries", entre outros formatos, algo que "os outros canais privados não poderão fazer", já que estão focados nas receitas publicitárias.

Sobre a publicidade, José Eduardo Moniz defendeu a necessidade de se pensar "de forma diferente" e apontou que a "própria publicidade em Portugal não sabe vender-se", pelo que o problema não são os operadores. Já Nuno Artur Silva considerou que a oferta televisiva em Portugal "é muito pobre", comparativamente a outros mercados europeus.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.