"A Guerra dos Tronos" volta a ser a série mais pirateada em todo o mundo

"Recorde" acontece pelo sexto ano consecutivo

A série televisiva "A Guerra dos Tronos" voltou a ser, pelo sexto ano consecutivo, o programa televisivo mais pirateado a nível mundial através de 'torrents', segundo uma compilação feita pela página especializada Torrentfreak.

De acordo com uma publicação daquele 'site', "apesar de não ter havido um novo recorde de descargas, a nível de tráfego o interesse foi muito", tendo alcançado um pico de 400 mil partilhas em simultâneo depois de o final da sétima temporada ter sido colocado na Internet.

Os autores da análise alertam contra leituras sobre um crescimento ou diminuição da pirataria digital a partir destes números, uma vez que os 'torrents' (que permitem a descarga de algo através da ligação partilhada por vários utilizadores) são apenas uma parte dessa realidade, salientando a propagação de páginas que permitem o 'streaming' (visionamento de um determinado programa sem necessidade de o descarregar) de forma ilegal.

Ainda assim, de acordo com a lista das dez séries mais partilhadas através daquele sistema, depois de "A Guerra dos Tronos" (exibida em Portugal no canal Syfy), as mais partilhadas foram "Walking Dead", "The Flash", "A Teoria do Big Bang", "Rick and Morty", "Prison Break", "Sherlock", "Vikings", "Suits" e "Arrow".

A sétima temporada de "A Guerra dos Tronos", transmitida este ano, foi atingida por vários problemas, entre os quais um ataque informático à HBO, que levou a que argumentos da saga fossem colocados 'online' antes da exibição dos episódios.

A oitava -- e última -- temporada da série, que tem por base os livros de George R. R. Martin, vai estar em filmagens até ao próximo verão, tendo 2019 como provável data de exibição dos seis episódios já anunciados, de acordo com entrevistas de vários atores do elenco publicadas nos últimos meses.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.