"A Guerra dos Tronos" volta a ser a série mais pirateada em todo o mundo

"Recorde" acontece pelo sexto ano consecutivo

A série televisiva "A Guerra dos Tronos" voltou a ser, pelo sexto ano consecutivo, o programa televisivo mais pirateado a nível mundial através de 'torrents', segundo uma compilação feita pela página especializada Torrentfreak.

De acordo com uma publicação daquele 'site', "apesar de não ter havido um novo recorde de descargas, a nível de tráfego o interesse foi muito", tendo alcançado um pico de 400 mil partilhas em simultâneo depois de o final da sétima temporada ter sido colocado na Internet.

Os autores da análise alertam contra leituras sobre um crescimento ou diminuição da pirataria digital a partir destes números, uma vez que os 'torrents' (que permitem a descarga de algo através da ligação partilhada por vários utilizadores) são apenas uma parte dessa realidade, salientando a propagação de páginas que permitem o 'streaming' (visionamento de um determinado programa sem necessidade de o descarregar) de forma ilegal.

Ainda assim, de acordo com a lista das dez séries mais partilhadas através daquele sistema, depois de "A Guerra dos Tronos" (exibida em Portugal no canal Syfy), as mais partilhadas foram "Walking Dead", "The Flash", "A Teoria do Big Bang", "Rick and Morty", "Prison Break", "Sherlock", "Vikings", "Suits" e "Arrow".

A sétima temporada de "A Guerra dos Tronos", transmitida este ano, foi atingida por vários problemas, entre os quais um ataque informático à HBO, que levou a que argumentos da saga fossem colocados 'online' antes da exibição dos episódios.

A oitava -- e última -- temporada da série, que tem por base os livros de George R. R. Martin, vai estar em filmagens até ao próximo verão, tendo 2019 como provável data de exibição dos seis episódios já anunciados, de acordo com entrevistas de vários atores do elenco publicadas nos últimos meses.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.