Facebook está atento e quer acabar com a propaganda política

Relatório da empresa admite que há ações concertadas para difundir propaganda política na rede social

O Facebook admitiu estar a observar tentativas de divulgação de propaganda na rede social, que são aparentemente orquestradas por governos ou partidos políticos. Segundo a BBC, que cita um relatório recente da empresa, os responsáveis têm detetado "notícias falsas, desinformação, ou contas falsas cujo objetivo é manipular a opinião pública".

De acordo com o mesmo documento, "vários casos" foram observados durante a campanha para as eleições presidenciais nos EUA, no ano passado, e exigiram mesmo que houvesse uma atuação por parte da rede social. Em algumas das situações, o Facebook admite que parece ter-se tratado de uma "ação concertada" em larga escala.

Segundo os dados neste relatório, na sequência da atividade de propaganda política o Facebook removeu em França 30 mil contas da rede social - recorde-se que os franceses votaram no domingo passado nos dois candidatos que passam à segunda volta das eleições presidenciais; a disputa final entre Macron e Le Pen realiza-se a 7 de maio.

Segundo o Facebook, as tentativas de propaganda política são cada vez mais subtis e insidiosas, procurando manipular o discurso cívico e "enganar as pessoas". Outro modo de ação propagandística passa por uma "falsa amplificação" da informação, que inclui a criação de inúmeras contas de Facebook que, de forma coordenada, distribuem e partilham conteúdos. Foi ainda verificada a distribuição de "conteúdo inflamatório e, por vezes, memes racistas".

Ao contrário do que se supunha, que muita desta atividade propagandística passava por "bots" - aplicações que simulam atividade humana, repetida de uma maneira padrão - o Facebook concluiu que são efetivamente pessoas que estão diretamente envolvidas nestas ações, e não necessariamente um software automático. "Observámos muitas ações realizadas por falsos operadores que só podiam ter sido feitas por pessoas com conhecimentos de língua e conhecimento básico da situação política nos países alvo, o que sugere um alto nível de coordenação e premeditação".

O objetivo da divulgação de propaganda, segundo a rede social, passa por desacreditar instituições políticas, promover ou denegrir uma causa específica ou espalhar simplesmente a confusão sobre uma dada matéria.

Para combater este tipo de ação, o Facebook diz estar a desenvolver inúmeros esforços, nomeadamente a construir novos produtos que consigam apontar as notícias falsas e a criar novos sistemas, alguns com inteligência artificial, que auxiliem na resposta à divulgação de "spam" ou contas falsas na plataforma.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG