Donald Trump proíbe 'Washington Post' de entrar nas ações de campanha

O pré-candidato à presidência dos EUA não gostou de um título e revogou as credenciais de imprensa do jornal para a sua campanha.

O empresário e pré-candidato republicano às eleições presidenciais norte-americanas não gostou de um título publicado no Washington Post numa notícia sobre o ataque terrorista em Orlando e decidiu interditar o acesso do diário à sua campanha eleitoral.

"Não sou fã do presidente Obama, mas para vos mostrar quão desonesto é o falso Washington Post, eles escreveram, 'Donald Trump sugere que o presidente Obama esteve envolvido no tiroteio de Orlando' como título. Triste!", escreveu o republicano, que completou 70 anos esta terça-feira, na sua página no Facebook.

Pouco depois, Trump escreveu mais uma publicação, anunciando que vai vetar as credenciais do Washington Post para a sua campanha."No seguimento da incrivelmente imprecisa cobertura da recordista campanha Trump, vimos por este meio revogar as credenciais de imprensa do falso e desonesto Washington Post", disse.

O editor do Washington Post, Martin Baron, já reagiu. Baron, em comunicado, disse que a decisão de revogar as credenciais do diário "é nada mais nada menos do que o repúdio do papel de uma imprensa livre e independente".

"Quando a cobertura não corresponde ao que o candidato quer, uma organização noticiosa é banida. O [Washington] Post vai continuar a cobrir Donald Trump como tem feito desde sempre - honoravelmente, honestamente, de forma precisa, energeticamente e sem vacilar", prometeu Baron.

Exclusivos