Canábis: ingrediente-chave das séries norte-americanas

Além de 'Narcos', estão a ser produzidas cinco outras séries de ficção sobre o tráfico e consumo da droga já legalizada em 23 estados dos EUA. As primeiras lojas abrem este verão

Tráfico e consumo de canábis - também conhecido como marijuana. Se há tema que está em voga no universo televisivo, este é certamente um deles. Narcos, Disjointed, Time Travelling Bong, High Maintenance, Buds e Highland são as seis séries, atualmente em fase de produção nos EUA, que refletem o cada vez maior interesse do público por esta droga, numa altura em que 23 estados norte-americanos já legalizaram o seu consumo para fins medicinais.

Compreende-se facilmente a tendência, se tivermos em conta que "existem muitos fumadores de marijuana em Hollywood" e que, acima de tudo, este é "um estilo de vida". "As pessoas que trabalham nestes sítios [onde se consome canábis] levam isto muito a sério. Não é diferente de um talho", frisa um executivo da indústria televisiva, ao The Hollywood Reporter.

As primeiras lojas estão previstas abrir neste verão, no Havai, o primeiro estado a legalizar a droga, em 2000. Este é, segundo o diretor do departamento de entretenimento da Fox, David Madden, o grande motivo do disparo no número de séries sobre canábis, que se tem verificado ultimamente.

"A ideia de podermos ir a uma loja e comprar alguma erva abre espaço a uma série com relevância cultural. Se estivesse na televisão por cabo, acharia que este é um mundo muito interessante", defende. A sua estação, apesar de ainda não ter carimbado nenhuma trama com estas características, está "conceptualmente aberta" a essa possibilidade, garante o responsável.

Onde está a canábis na TV?

Nomeada neste ano para dois Globos de Ouro, Narcos, produção original da Netflix, faz um retrato da vida de Pablo Escobar, conhecido barão da droga da Colômbia durante os anos 1980. Este drama, protagonizado pelo brasileiro Wagner Moura, é uma das principais apostas do serviço de streaming para o futuro e contrasta com as restantes cinco comédias, sobre o mesmo tema, que estão a ser trabalhadas nos Estados Unidos.

Uma delas é Disjointed, obra de Chuck Lorre, produtor de êxitos como A Teoria do Big Bang ou Dois Homens e Meio. A série, ainda sem data de estreia ou canal associado, irá acompanhar um grupo de consumidores de canábis, clientes de uma loja no estado do Colorado.

O canal humorístico por subscrição Comedy Central, por sua vez, deu recentemente luz verde a Time Travelling Bong, trama sobre um cachimbo que, como o próprio nome indica, permite a quem o usa viajar no tempo. O canal HBO também está a apurar um projeto da mesma natureza: trata-se de High Maintenance, comédia que gira em torno de um traficante de Brooklyn, Nova Iorque, conhecido como The Guy, e da sua misteriosa lista de clientes.

Na televisão em sinal aberto, cabe à NBC seguir a tendência, tendo há poucas semanas encomendado o argumento de Buds, série criada por Naomi e Adam Scott (dupla responsável por Parks and Recreation), que relata o dia-a-dia de uma loja de venda de marijuana.

Por fim, acompanhando a sua rival Netflix, também a Amazon entra no perigoso mundo da droga, com a produção original Highland, sobre uma mulher que acaba de sair da reabilitação e que se junta aos seus familiares na gerência de uma dessas novas lojas. "Há tanta coisa a acontecer com a atenuação da proibição da marijuana. A minha série foca-se numa família que atravessa essa experiência - como o Dallas, mas em vez de petróleo terá erva. São os Kardashians!", brinca a protagonista, Margaret Cho.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG