Aprender a ser jornalista e pivô no Media Lab

Os alunos do 8.º ano da Escola Básica Integrada de Quinta de Marrocos, e os alunos do 10.º ano do Externato de Penafirme, ambas as escolas de Lisboa, estiveram ao Media Lab participar nos workshops "Ecojornalistas: Missão 3R" e "Repórteres de Guerra: Um olhar sobre a 1.ª Guerra Mundial", respetivamente.

Os pontos comuns às duas visitas foram a formação em jornalismo digital e novas tecnologias, o visionamento de um filme relativo à história de Portugal e do Diário de Notícias, um fórum de debate sobre temas da atualidade (os cuidados a ter nas redes sociais, o cyberbullying, a publicidade enganosa, entre outros) e uma breve visita à redação do DN. "Não fazia ideia de como era a redação, e acabei por ficar surpreendida com a quantidade de pessoas que lá trabalham e com a organização do espaço", disse ao DN a aluna Daniela Pereira, do 10.º ano.

Na primeira sessão, patrocinada pela Valorsul, a formação centrou-se no respeito pelo ambiente e na ecologia, já a segunda deteve-se em temas relacionados com a 1.ª Guerra Mundial. Para Margarida Morais, técnica da Câmara Municipal de Lisboa responsável pelo programa "Escola a Escola do Ambiente", que estabelece a comunicação entre a Valorsul, o Media Lab e as escolas, este projeto "é uma excelente iniciativa, permite que os alunos tenham um contacto mais direto com o jornal, e também lhes permite criar gosto pela escrita e pela leitura". Os alunos da manhã aceitaram o desafio de escrever notícias para compor as suas primeiras páginas de jornal e alguns deles tiveram a oportunidade de apresentar as suas notícias em vídeo. Durante a sessão da tarde, para além de trabalharem também em videocast, os jovens organizaram-se em editorias ou temas, escolhendo para cada uma delas os seus diretores, e redigiram as notícias dos seus jornais. "Está a ser muito divertido porque é uma novidade para mim. Sempre gostei muito da área de vídeo e imagem e por isso fazer o videocast foi uma atividade muito interessante", acrescentou a aluna Daniela.

Chegada a "hora de fecho" da redação dos jovens jornalistas, todos regressaram a casa satisfeitos com o trabalho realizado e com a certeza de que estar conscientemente informado é fundamental. "Explicaram-nos bem o que tínhamos de fazer. Eu gostei de escrever a notícia e de fazer a recolha de informação. O videocast, apesar de ser difícil ler em frente a uma câmara, correu-me bem a mim e a todos os meus colegas", explicou o aluno Guilherme Marques, do 8.º ano.