A eficácia da educação para os media

A literacia mediática corresponde à capacidade de consultar e compreender conteúdos existentes nos meios de comunicação social de modo a formar os cidadãos para o seu uso crítico.

Os alunos do 8º ano da Escola Secundária com 3º ciclo do Ensino Básico de Vergílio Ferreira protagonizaram a sessão desta quarta-feira, dedicada à construção da primeira página. Os jovens foram informados sobre alguns dos riscos existentes no mundo online, bem como dos recursos disponíveis para a procura de informação fidedigna.

Um público informado é capaz de avaliar as mensagens veiculadas pelos media, separando as notícias verdadeiras de conteúdos duvidosos. Assim sendo, compete ao leitor a procura de notícias que confirmem e comprovem a veracidade dos factos noticiosos.

Os jovens realizaram a atividade "Faz a tua 1ª página", que consistiu na procura e seleção de notícias atuais, presentes no site do Diário de Notícias.

As editorias 'Portugal', 'Globo' e 'Desporto' assumem o papel principal na pesquisa dos mais novos, "uma vez que reúnem os critérios que para eles são importantes na escrita de uma notícia" - atualidade, proximidade, relevância e novidade, refere Mafalda, de 13 anos.

A visita à redação foi iniciada com uma breve explicação sobre o ardina. Nas palavras de Ângela Conceição, professora de História "o destaque dado à personagem do ardina é fundamental. Os alunos desconhecem a existência de uma das figuras que marcou o jornalismo".

A remodelação feita na redação do Diário de Notícias, sobretudo a nível de elementos multimédia, foi um dos assuntos abordados durante a visita. "Os alunos associam a redação ao modelo americano que veem nos filmes e séries. A vinda ao DN possibilitou que ficassem com a imagem real do espaço de trabalho do jornal", acrescentou Ângela Conceição.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.