Web Summit: Football ISM quer reinventar a gestão dos clubes de futebol

Com uma base de dados que já alberga milhares de atletas, o Football ISM é uma aplicação que faz a gestão de um clube de futebol e de todos os seus departamentos, como se de uma empresa se tratasse.

O projeto nasceu há cinco anos, no seio da academia de futebol do Sporting Clube de Portugal, em Alcochete, também com os "preciosos contributos" de Chelsea e Barcelona, mas "ganhou asas" e hoje chega a vários emblemas europeus e até a África, disse à Lusa Filipe Esteves, diretor da AGAP2, empresa que criou a aplicação.

A empresa está na Web Summit, em Lisboa, para mostrar todas as potencialidades desta tecnologia e explica que o que está em causa é a digitalização e gestão integrada dos clubes de futebol, à semelhança de uma qualquer empresa.

"Somos uma plataforma completa para a gestão de todos os departamentos de um clube de futebol, desde a área técnica, nutricional, 'scouting', académica e psicológica dos atletas", começa por esclarecer Filipe Esteves, que acrescenta que uma ferramenta deste tipo é muito útil aos clubes que apostam na formação.

"Estudamos padrões para ultrapassar adversidades e antecipar as dificuldades. Ao analisarmos a componente desportiva e física do atleta, tudo agregado, conseguimos estar para lá da simples intuição. Conseguimos analisar toda a evolução de um jogador, com dados concretos, e tomar uma decisão mesmo que estejamos sentados a uma mesa de reuniões. Não queremos substituir a pessoa que toma a decisão, mas sim empoderá-la de forma a poder decidir com toda a informação".

Filipe Esteves admite que o futebol continua a ser "amador" em termos de processos, apesar da sua missão de "desenvolver talento". Por isso, frisa, "este tipo de ferramentas permite saber onde ele está e assegurá-lo em primeiro lugar".

Em Portugal, o clube que esteve na origem deste projeto foi o Sporting, e hoje utiliza esta ferramenta, mas o responsável adianta que a tendência é para aumentar, pois a Escola Superior de Desporto de Rio Maior utiliza esta ferramenta no seu curso de treinadores.

Se junto da nova geração a aceitação deste tipo de ferramentas é grande, Filipe Esteves assume que é mais difícil convencer os treinadores mais velhos, que circulam no mundo do futebol há mais anos. O presidente executivo da AGAP2 explica que muitas vezes este tipo de partilha de informação é vista com "desconfiança".

"Ainda persiste a ideia de que a propriedade intelectual dos treinos que são dados no clube pertence ao treinador, quando não é verdade. Pertencem ao clube, mas há a dificuldade de uma determinada geração de treinadores entenderem isso. E não há força dos clubes para o combater", sublinha.

Segundo Filipe Esteves, "este é um produto que pode ir dos 400 aos quatro mil euros. Quanto mais pequeno o clube, menos paga. Queremos ajudar a promover o desporto e que um clube nas distritais tenha a possibilidade de utilizar a mesma ferramenta que um clube de topo utiliza", termina.

A cimeira tecnológica, de inovação e de empreendedorismo Web Summit nasceu em 2010 na Irlanda e mudou-se em 2016 para Lisboa, devendo permanecer até 2028 na Altice Arena (antigo Meo Arena) e na Feira Internacional de Lisboa (FIL), em Lisboa.

Nesta terceira edição do evento em Portugal são esperados cerca de 70 mil participantes de mais de 170 países.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.