Universitários associam-se a escolas do Porto para descobrir novos antibióticos

Estudantes das faculdades de Farmácia e de Nutrição da Universidade do Porto juntaram-se a alunos do ensino básico e secundário num projeto que visa "a descoberta de novos antibióticos para colmatar o aumento da resistência".

Em entrevista à agência Lusa, Luísa Maria Vieira Peixe, docente da Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto (FFUP) e responsável pelo projeto, denominado MicroMundo@Uporto, afirmou hoje que este surgiu da necessidade de "consciencializar as pessoas para o problema da resistência aos antibióticos".

"Os estudantes vão contribuir para a resolução de um problema real, que é a descoberta de novos antibióticos, de modo a podermos ultrapassar aquilo que é a ameaça associada ao aumento da resistência aos antibióticos", frisou.

Através de uma estratégia pedagógica designada "aprendizagem e serviço", 45 estudantes do mestrado integrado em Ciências Farmacêuticas da FFUP e do mestrado em Ciências da Nutrição da Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto (FCNAUP) vão "captar a atenção dos mais jovens para as ciências".

Ao projeto associaram-se, por isso, 180 alunos do Agrupamento de Escolas Carolina Michaelis e da Escola Secundária Rodrigues de Freitas, no Porto, que vão "acompanhar" o trabalho experimental desenvolvido pelos universitários e adquirir, de forma prática, novos conhecimentos.

"Esta iniciativa atua fora do contexto universitário, o que permite aproximar a instituição à sociedade, uma vez que são os estudantes que vão às escolas transmitir o conhecimento relacionado com a resistência aos antibióticos e tentar despertar nos jovens o conhecimento pela diversidade microbiana", esclareceu.

Segundo a docente, o projeto, que "sai das instalações da faculdade" este mês, pretende ainda aumentar a "autonomia, planeamento e capacidade de tomada de decisões" dos estudantes universitários na realização de trabalhos de investigação.

O MicroMundo@Uporto, que foi um dos dez projetos da Universidade do Porto distinguidos na 3.ª edição do concurso Projetos de Inovação Pedagógica, pretende tornar "os estudantes mais participativos, criativos e ativos no processo de aquisição de conhecimentos", disse, em declarações à Lusa, o pró-reitor da inovação da UP, João Veloso.

"O fio condutor destes projetos é estimular a participação ativa dos estudantes e dos docentes no processo educativo. É gratificante ver que é cada vez maior o número de docentes que se empenham a fundo na criação de novos projetos, o que demonstra também um grande interesse em se atualizarem", sublinhou João Veloso.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.