Universidade de Coimbra lidera investigação de doença rara que causa cegueira

Uma equipa da Universidade de Coimbra (UC) e outros especialistas portugueses vão iniciar, em 2018, uma investigação genética com o objetivo de melhorar o tratamento de uma doença rara que geralmente leva à cegueira.

No próximo ano, a equipa multidisciplinar "vai realizar testes genéticos em doentes nacionais em busca das causas" da neuropatia ótica hereditária de Leber, conhecida pela sigla LHON, afirmam os responsáveis do projeto em comunicado.

Trata-se de "uma doença rara, hereditária, incapacitante e que provoca uma perda de visão rápida e, na maior parte dos casos, permanente em jovens ou adultos, afetando gravemente a sua qualidade de vida".

Coordenada pelo Laboratório de Bioquímica Genética do Centro de Neurociência e Biologia Celular da UC, cuja responsável, Manuela Grazina, é docente da Faculdade de Medicina de Coimbra, a investigação envolve vários neuro-oftalmologistas nacionais.

O projeto de estudo na área da genética tem por base "um novo modelo de gestão da doença" com vista a "encontrar novas pistas e caminhos para a compreensão" da LHON.

"O nosso objetivo é, nos próximos dois anos, oferecer, sem custos para os hospitais e para os doentes, um teste genético completo que permita perceber, nestas atrofias óticas nos doentes portugueses, qual é a causa da doença", afirma Manuela Grazina, citada na nota.

Também a diretora do Serviço de Oftalmologia do Centro Hospitalar Lisboa Norte, Fátima Campos, que integra a equipa, realça que a genética "pode dar muitas respostas, não só à melhor caracterização da fisiopatologia", mas também relativamente ao tratamento e ao prognóstico.

"Com a colaboração de outros hospitais conseguiremos saber qual a incidência desta doença em Portugal e ter resultados importantes a nível genético", adianta Fátima Campos.

Manuela Grazina acredita na possibilidade de "um avanço gigantesco, não só a nível nacional, mas com impacto a nível internacional", sendo necessário "um pouco de ousadia para sair da caixa e procurar outros dados".

O trabalho da equipa multidisciplinar portuguesa é apoiado pela Santhera Pharmaceuticals, uma empresa de investigação e desenvolvimento (em inglês, "research and development", R&D) com sede na Suíça.

"Vamos estabelecer um protocolo de seleção dos doentes, com critérios clínicos muito bem definidos, graças ao apoio dos médicos, que são pontos-chave neste projeto. E estimamos conseguir fazer testes, num mínimo de 40 doentes de todo o país, em dois anos", explica Manuela Grazina.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?