Três velocistas do Benfica abriram época em 'meeting' na Florida

Clermont, Estados Unidos, 20 abr 2019 (Lusa) - Os três benfiquistas David Lima, Ricardo dos Santos e Raidel Acea estiveram hoje em bom plano no 'Meeting' de Clermont, na Florida, numa competição muito marcada pelo vento.

Há algumas semanas em estágio na Florida, os três benfiquistas tiveram a sua abertura de época de pista, com Raidel Acea, recordista dos 400 metros em pista coberta, a marcar 47,12 segundos, sendo terceiro classificado numa série que o colombiano Anthony Zambrano (46,38) venceu.

Quando a David Lima, o segundo melhor português de sempre em 100 e 200 metros, foi segundo na sexta série de 100 metros, com a marca de 10,47 segundos (mas com forte vento pelas costas: +3,1 m/s), com o triunfo a pertencer ao norte-americano Jaylen Bacon.

Na sexta série dos 200 metros, foi quinto, com a marca de 20,68 segundos (também com vento a mais: +4,0 m/s), sendo o vencedor o equatoriano Alex Quiñones, com 19,99.

Contudo, a maior ventania (+5,0 m/s) surgiu na terceira série de 200 metros, na qual Ricardo dos Santos, recordista de 400 metros ao ar livre, foi terceiro, com 21,26 segundos. Venceu o britânico Confidence Lawson, em 20,77.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.