Trabalho infantil compromete desenvolvimento das crianças - Provedor de Justiça

O Provedor de Justiça, José de Faria Costa, condenou hoje, Dia Mundial contra o Trabalho Infantil, o emprego de crianças em fábricas, na mendicidade e em trabalhos agrícolas que, "pela sua prematuridade e violência", comprometem o seu desenvolvimento.

Numa mensagem publicada no 'site' do Provedor de Justiça, José de Faria Costa assinala a data e condena de "um jeito veemente", o trabalho infantil que compromete "o desenvolvimento físico, psíquico e, até, cognitivo" das crianças e ofende "os seus direitos fundamentais".

Recorda ainda que tem disponível a Linha da Criança (800 20 66 56) destinada ao tratamento de questões relativas "a todos aqueles que, em razão da sua precoce idade, são particularmente mais vulneráveis: as crianças e os jovens".

"A Organização Internacional do Trabalho passou a dedicar, desde 2002, o dia 12 de junho ao combate a todas as formas de trabalho infantil que, um pouco por todo o mundo, são utilizadas, impedindo que as crianças sejam tão-só --- o que é já muito --- crianças", sublinha.

O Provedor de Justiça adianta que tem desenvolvido, no contexto internacional, atividades no sentido de promover e defender os direitos humanos dos jovens.

Recorda a este propósito, a sua atuação na Rede Temática da Infância e da Adolescência da Federação Ibero-Americana de Ombudsman, um fórum de reflexão e de ação na tutela daqueles direitos em um espaço que compreende 20 países da Península Ibérica e da América Latina.

A UNICEF estima que existam 168 milhões de crianças vítimas de trabalho infantil, trabalhando muitas delas (85 milhões) em condições de exploração infantil, com perigos graves à saúde e sendo envolvidas em conflitos armados.

Segundo a Organização Internacional do Trabalho, mais de 20 em cada cem crianças entram no mercado de trabalho por volta dos 15 anos de idade nos países pobres.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG