Trabalhadores do registo civil de Paredes cumprem sexta-feira um dia de greve

Paredes, Porto, 24 abr 2019 (Lusa) - O Sindicato dos Trabalhadores dos Registos e Notariado (STRN) anunciou hoje que os trabalhadores da Conservatória do Registo Civil de Paredes vão cumprir, na sexta-feira, um dia de greve para "forçar" a tutela a resolver os problemas do serviço.

"O protesto segue-se à paralisação de trabalhadores, pelos mesmos motivos, na passada segunda-feira, que registou uma adesão de 100%, já que tanto o Ministério da Justiça (MJ) como o Instituto dos Registos e Notariado (IRN) continuam sem soluções para a resolução de todos os problemas evidenciados e reportados à tutela", lê-se num comunicado enviado hoje à Lusa.

A organização sindical explica que, "de todas as questões denunciadas, destaca-se a avaria, há mais de cinco meses, da plataforma de cadeira de rodas de acesso à conservatória, privando os cidadãos de mobilidade reduzida, assim como os pais que transportam os seus filhos menores em carrinho de bebé, de se dirigirem à mesma em condições dignas".

Refere-se por outro lado, que, "até à presente data, nem IRN nem o MJ "prestaram quaisquer esclarecimentos quanto a este assunto".

"O Sindicato dos Trabalhadores dos Registos e Notariado (STRN) repudia veementemente esta posição que ignora os habitantes de Paredes com mobilidade reduzida", acrescenta-se no comunicado.

Assinala-se, também, "as condições de trabalho a que os trabalhadores da Conservatória de Paredes estão sujeitos, com claros prejuízos para os utentes", nomeadamente "Instalações inadequadas que prejudicam a privacidade no atendimento dos cidadãos" e "deficiências em matéria de higiene, saúde e segurança para os trabalhadores e cidadãos que usam os serviços".

Iluminação em "mau estado", casas de banho "num estado deplorável de conservação" e "falhas graves na segurança dos trabalhadores" são outras situações denunciadas por aquela estrutura sindical.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.