Tóli César Machado estreia-se a solo em disco na sexta-feira

O músico Tóli César Machado, fundador dos GNR, edita na sexta-feira um álbum em nome próprio, intitulado "Contrário da Escuridão", fruto de colaborações com vários autores e intérpretes, foi hoje anunciado.

Nesta estreia a solo, Tóli César Machado apresenta-se como Espírito, autor das dez canções inéditas interpretadas por Ricardo Ribeiro, Selma Uamusse, Marcela Freitas e Dom La Nena.

Para a lírica, o músico convidou José Luís Peixoto, Tiago Torres da Silva, Mário João Alves, Adolfo Luxúria Canibal e Jónatas Pires. O alinhamento apresenta os instrumentais "África" e "Imortal".

"Contrário da escuridão" tem produção de Rui Maia (X-Wife e Mirror People) e na gravação entraram ainda, além de Toli César Machado, Ianina Khmelik (violino), Luísa César Machado (baixo e contrabaixo) e Miguel Ferreira (teclados).

Tóli César Machado, 56 anos, é o único dos três elementos dos GNR que se mantém desde a fundação, em 1980, enquanto baterista, embora o trabalho de composição se expanda também para guitarra, acordeão e piano.

Além dos GNR, o músico colaborou com outros nomes como António Variações, Telectu e Manuela Moura Guedes.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.