Tenista espanhol Nadal nas meias-finais de Monte Carlo, ao superar Pella (ATUALIZAÇÃO)

Monte Carlo, 19 abr 2019 (Lusa) - O tenista espanhol Rafael Nadal qualificou-se hoje para as meias-finais do torneio Masters 1.000 de Monte Carlo, em terra batida, ao bater o argentino Guido Pella, ficando a dois triunfos do 12.º título na prova.

O número 2 mundial, que ganhou o torneio do principado de 2005 a 2012 e nos últimos três anos, superou o 35.º da tabela em dois 'sets', pelos parciais de 7-6 (7-1) e 6-3, num embate que se prolongou por duas horas e 20 minutos.

Nadal, que somou a vitória 71 em Monte Carlo, teve grandes dificuldades no primeiro 'set', em que esteve a perder por 4-1 e - depois de virar para 5-4 -- por 6-5, com o argentino a chegar a estar a dois pontos de ganhar por 7-5, no seu serviço.

O espanhol conseguiu, porém, levar o jogo para o 'tie break', que dominou por completo, tal como o segundo parcial, o qual comandou por 5-1.

Nas meias-finais, no sábado, Nadal vai enfrentar o italiano Fabio Fognini, 18.º jogador mundial, que ganhou ao croata Borna Coric, 13.º, por 1-6, 6-3 e 6-2.

Na corrida à final, estão também o russo Daniiel Medvedev, 14.º da tabela ATP, e o sérvio Dusan Lajovic, 48.º, que se defrontam na outra meia-final.

Nos 'quartos', Medvedev superou o sérvio Novak Djokovic, líder do 'ranking' mundial, por 6-3, 4-6 e 6-2, enquanto Lajovic bateu o italiano Lorenzo Sonego, 96.º, por 6-4 e 7-5.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.