Supermercados DIA pioram resultados e acionistas são pressionados a ir à OPA

Madrid, 26 abr 2019 (Lusa) -- A cadeia de supermercados DIA fechou o primeiro trimestre com um prejuízo entre 140 e 150 milhões de euros, segundo um comunicado da empresa ao mercado a quatro dias do fim a OPA lançada pelo principal acionista.

Na informação enviada hoje à Comissão Nacional do Mercado de Valores (CNMV) espanhola a empresa adianta que as suas vendas baixaram entre 4,3 e 9,9%, até um intervalo que oscila entre os 1.615 e os 1.715 milhões de euros.

A situação avançada provisoriamente pela administração da cadeia de supermercados, que detém o Minipreço em Portugal, vem colocar pressão sobre os acionistas indecisos em ir à oferta pública de aquisição (OPA) lançada pelo milionário russo Mikhail Fridman, o maior dos acionistas.

O português que tem 2% do grupo de supermercados DIA, Luís Amaral, anunciou na quinta-feira que não se iria desfazer da posição que tem na empresa, considerando inadequado o preço oferecido de 0,67 euros por ação.

Luís Amaral, que detém a posição no grupo através da empresa Western Gate, anunciou em comunicado que "continua a acreditar no valor do DIA e que o preço de 0,67 euros por ação não reflete adequadamente o valor da companhia" e, assim, confirma que não venderá as suas ações.

A posição do português junta-se a outros acionistas de referência, como a Naturinvest, que detém 3,261%, e dificulta ainda mais as pretensões de Mikhail Fridman de vir a controlar o grupo DIA.

Apesar da posição que tomou, a Western Gate de Luís Amaral afirma que está ciente de que o sucesso da oferta e o consequente aumento de capital constituem uma opção para que o DIA recupere a sua "credibilidade e solidez" financeira, esperando trabalhar de forma construtiva com a LetterOne para contribuir para a mudança de direção da empresa.

O Conselho de Administração do Grupo DIA recomendou em 10 de abril último aos acionistas da empresa que aceitem a OPA lançada por Mikhail Fridman, por entender que "esta é a melhor alternativa".

A assembleia-geral de acionistas do grupo já tinha, em 20 de março último, em Madrid, aceitado a estratégia do milionário russo para tentar salvar a empresa da falência.

O grupo DIA, que celebra o seu 40.º aniversário este ano, tem atualmente uma rede de mais de 6.100 lojas e mais de 43.000 trabalhadores espalhados por Espanha, Portugal (Minipreço), Brasil e Argentina.

As vendas do grupo têm vindo a cair nos últimos três anos - passaram de 9.000 milhões de euros em 2015 para 7.288 milhões em 2018 --, devido, entre outros fatores, ao aumento da concorrência em Espanha, onde passou da segunda para a terceira posição em termos de quota de mercado.

A empresa encontra-se num processo de dissolução por quebra técnica desde finais de 2018 e deve resolver a situação, tendo um mês para recuperar o equilíbrio para assim evitar a abertura de um processo de liquidação.

Em Portugal, o grupo DIA tinha no final do ano passado 223 estabelecimentos próprios e 309 franchisados com as marcas Minipreço, Mais Perto e Clarel.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.