Sri Lanka/Ataques: Novo balanço aponta para 156 mortos nas explosões, 35 estrangeiros

Colombo, 21 abr 2019 (Lusa) -- Um novo balanço da série de explosões que ocorreram em três igrejas e três hotéis hoje no Sri Lanka aponta para 156 mortos, entre os quais 35 estrangeiros, sendo um português, anunciou fonte policial.

Fonte policial avançou à agência de notícias francesa France Presse, que as autoridades já registaram 156 mortos, entre os quais 35 estrangeiros, e mais de 400 feridos.

A cônsul de Portugal em Colombo, Preenie Pine, disse hoje à Lusa que existe um português entre as vítimas mortais.

A capital, Colombo, foi alvo de pelo menos quatro explosões, em três hotéis de luxo e uma igreja. Duas outras igrejas foram também alvo de explosões, uma em Negombo, a norte da capital e onde há uma forte presença católica, e outra ao leste do país.

As explosões ocorreram "quase em simultâneo", pelas 08:45 (03:15 em Portugal), de acordo com fontes policiais citadas por agências internacionais.

Os hotéis de luxo onde se registaram as explosões são o Kingsbury Hotel, o Shangri-La e o Cinnamon Grand Colombo, todos na capital.

"Por favor, permaneçam calmos e não sejais enganados por rumores", pediu Sirisena numa mensagem à nação, num país onde os confrontos têm sido frequentes no passado em reação a eventos violentos.

O Ministério da Educação anunciou o encerramento de todas as escolas do país na segunda e terça-feira.

Também o primeiro ministro do país, Ranil Wickremesinghe, liderou uma reunião ade emergência com altos cargos das forças de segurança e outros membros do Governo, entre eles o ministro para as Reformas Económicas e a Distribuição Pública, Harsha de Silva, que deu detalhes do encontro na rede social Twitter.

Imagens difundidas pelos meios de comunicação locais mostram a magnitude da explosão pelo menos em uma das igrejas, com o teto do templo semidestruído, escombros e corpos espalhados enquanto muitas pessoas os tentam socorrer.

Os fiéis católicos celebram hoje o Domingo de Ressurreição, o dia mais importante entre os rituais da Semana Santa.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.