Recordar o Porto como "capital de um reino" no centenário da Monarquia do Norte

A Real Associação do Porto evoca no sábado no Ateneu os 100 anos da Monarquia do Norte, para "pensar o país, não só a partir de Lisboa" e lembrar a contrarrevolução que tornou o Porto na "capital do reino".

"O objetivo nesta evocação é histórico, mas convém frisar que não é a monarquia tal como era há 100 anos que defendemos. A monarquia que a Causa Real defende é parlamentar e democrática, em que o governo é eleito e não é o rei que nomeia. Há uma ligação com o presente", explicou à Lusa o presidente da Real Associação do Porto, Jorge Leão, entidade que se junta à Causa Real e Reais Associações de Lisboa, Braga e Viana para a evocação no Ateneu Comercial do Porto.

Um mês após a morte do Presidente da República Sidónio Pais, a 19 de janeiro de 1919, juntas militares favoráveis à restauração da monarquia em Portugal proporcionaram no Porto a contrarrevolução conhecida como "A Monarquia do Quarteirão", por ter durado apenas 25 dias, sob o comando de Paiva Couceiro.

"O Porto acabou por ser capital de um reino durante 25 dias. Embora a propaganda republicana tenha tentado diminuir a importância deste acontecimento, o facto é que o Porto aguentou um regime dentro de um regime durante quase um mês. É importante pensar um pouco o país, não só a partir de Lisboa, mas também do Porto", sublinhou Nuno Resende, professor e investigador na Faculdade de Letras do Porto e um dos oradores convidados para a evocação.

Assumindo-se como monárquico, Nuno Resende tem dedicado algum tempo na "análise crítica" de fotografias e notícias do tempo da Monarquia do Norte, sendo esse o foco da sua intervenção no evento, "uma leitura sobre o tempo antes e as consequências diretas desses 25 dias".

Sobre a importância desta evocação, referiu que em Espanha existe o problema da "destruição e ocultação de vestígios ligados ao Franquismo" e, embora o mesmo não se passe em Portugal com o objetos do Estado Novo, "é sempre importante evocar acontecimentos históricos que não sejam favoráveis ao nosso tempo", assim como "acentuar a necessidade de criticar um evento ou documento histórico".

"Sobretudo criticar num sentido educativo. A grande vantagem do que vai decorrer sábado é lembrar-nos. Lembrar a memória é importante para não esquecer que podemos voltar a cair em alguns erros. Não se trata de legitimar os regimes ou dizer que um é melhor que o outro, mas que efetivamente a República portuguesa tem um passado, uma memória, e deve respeitá-la e preservá-la", finalizou.

Além de Nuno Resende, a evocação do centenário da Monarquia do Norte vai contar, no sábado, com a presença do historiador Carlos Bobone.

No dia 02 de fevereiro, realizar-se-á no Ateneu Comercial do Porto uma segunda conferência em que serão oradores os historiadores Armando Malheiro e Luís Cabral.

Este ano celebram-se também os 30 anos da Real Associação do Porto e 150 do Ateneu Comercial do Porto.

Exclusivos