Quase 4.500 pessoas assinaram petição pelo acesso gratuito às bombas insulina a maiores 18

Lisboa, 29 mai 2019 (Lusa) -- Quase 4.500 pessoas já assinaram a petição promovida pelo grupo Diabét1cos que defende o alargamento do acesso gratuito às bombas de insulina a todos os maiores de 18 anos.

No texto da Petição, que tem o apoio da Associação protetora dos Diabéticos de Portugal (APDP), o grupo defende uma intervenção da Assembleia da República para que se avance com legislação visando "o alargamento da comparticipação das bombas de insulina para todos os diabéticos que sejam recomendados pelas equipas médicas e que estejam aptos a utilizar o dispositivo".

"Esta iniciativa pretende também pedir a comparticipação de diferentes marcas de bombas de insulina, de modo a permitir um melhor ajuste do dispositivo médico ao paciente", recorda o grupo.

Os Dispositivos de Perfusão Subcutânea Contínua de Insulina (dispositivos de PSCI, vulgo bombas de insulina) "trazem um maior controlo da diabetes, estando atualmente garantida a sua comparticipação na totalidade para jovens até aos 18 anos", lembra a petição.

Os promotores da iniciativa recordam que a insulina permite um melhor controlo da diabetes e uma maior flexibilidade na vida de diabético, evitando cumprimentos de horários das refeições, e uma segurança de limite máximo de insulina injetada, algo que não é possível com as atuais canetas, "que podem levar a hipoglicemias graves ou mesmo até à morte em situações de doses incorretas de insulina ou de troca de insulina lenta por insula ultra-rápida".

"Permite menos injeções no corpo, das atuais seis a 10 injeções com canetas, seria apenas necessária a inserção de um cateter de três em três dias" e, quando ligada a um sistema de leitura contínua de glicose (CGM) "pode suspender a insulina em caso de hipoglicemia", refere o texto.

O documento acrescenta que, em modelos recentes a serem lançados na Europa, "permite o funcionamento do sistema chamado de pâncreas artificial, controlo automático da administração de insulina baseando-se nos valores da glicemia".

A diabetes é uma doença crónica que afeta milhões de pessoas durante toda a vida e obriga diariamente os doentes a um controlo apertado dos valores de açúcar no sangue. No caso da diabetes tipo 1, obriga a várias injeções diárias de insulina e a picar os dedos várias vezes por dia para medir os níveis de glicemia no sangue.

Em Portugal, a doença atinge mais de um milhão de pessoas, sendo que a este número acresce mais de dois milhões de pré-diabéticos.

Anualmente, devido à diabetes, morrem mais de 4.000 portugueses, são realizadas cerca de 1.500 amputações dos membros inferiores e ocorrem mais de 7.000 casos de Acidente Vascular Cerebral (AVC).

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?