PR/China: Pequim "profundamente" agradecida a Portugal por aderir ao seu projeto internacional

Pequim, 23 abr 2019 (Lusa) - A China afirmou hoje "apreciar profundamente" a participação de Portugal na iniciativa "Uma Faixa, Uma Rota", apontando a localização estratégica do país, um dos primeiros da Europa ocidental a aderirem à visão internacional de Pequim.

Num comunicado enviado à agência Lusa, nas vésperas de o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa iniciar uma visita de Estado ao país, o Governo chinês enaltece a adesão "ativa" e a "atenção" de Lisboa ao seu plano.

Descrito pelo Presidente chinês, Xi Jinping, como o "projeto do século", aquele gigantesco plano de infraestruturas foi já incluído na Constituição chinesa, materializando a nova vocação internacionalista de Pequim.

Uma malha ferroviária e autoestradas ligarão a região oeste da China à Europa e Oceano Índico, cruzando Rússia e Ásia Central, enquanto uma rede de portos em África e no Mediterrâneo reforçarão as ligações marítimas das prósperas cidades do litoral chinês.

Pelo caminho, serão erguidos aeroportos, centrais elétricas e zonas de comércio livre, redesenhando o mapa da economia mundial e anunciando uma "nova era", na qual a China ocupará o centro da ordem mundial.

No comunicado, Pequim realça a posição "muito relevante" de Portugal no extremo oeste da Eurásia, insinuando uma coordenação com Lisboa, que quer a inclusão de uma rota atlântica no projeto chinês, permitindo ao porto de Sines conectar as rotas do Extremo Oriente ao oceano Atlântico e beneficiar assim do alargamento do canal do Panamá.

"A assinatura de um memorando de entendimento com Portugal no âmbito da 'Uma Faixa, Uma Rota' estabeleceu uma fundação sólida para o desenvolvimento da iniciativa", nota.

Lembrando que a visita do Presidente da China, Xi Jinping, a Lisboa, em dezembro passado, "elevou as relações para um novo patamar", as autoridades chinesas consideram que Portugal "constitui um exemplo positivo" para a cooperação entre a China e a Europa.

"Portugal é dos primeiros países da Europa ocidental a assinar um documento de cooperação no quadro da iniciativa 'Uma Faixa, Uma Rota'", realça.

Contudo, os planos chineses têm suscitado também divergências com as potências ocidentais, que veem uma nova ordem mundial ser moldada por um rival estratégico, com um sistema político e de valores profundamente diferente.

Na Europa Ocidental, para além de Portugal, apenas a Itália apoia formalmente a iniciativa chinesa. Alemanha e França têm pressionado por critérios de seleção mais rigorosos para os investimentos chineses no continente.

No mês passado, Bruxelas produziu um documento que classifica Pequim como um "adversário sistémico", que "promove modelos alternativos de governação", e apelou a ações conjuntas para lidar com os desafios tecnológicos e económicos colocados pela China.

O Governo chinês lembra, no entanto, que "está disposto a trabalhar em conjunto com Portugal" para coordenar a sua visão com os planos da União Europeia de conectividade à Ásia e com a estratégia portuguesa de desenvolvimento nacional.

E reafirma a sua vontade em continuar a "expandir a cooperação" com Lisboa nos setores "energia, transportes, infraestrutura portuária e logística", para "beneficio de ambos os países e povos".

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.