Portugal com 3.ª maior quota de eletricidade proveniente de fontes renováveis - Eurostat

Mais de metade da eletricidade consumida em Portugal em 2016 foi proveniente de fontes de energia renováveis (54,1%), o que representa o terceiro valor mais elevado da União Europeia (UE), revelam dados hoje divulgados pelo Eurostat.

De acordo com o gabinete oficial de estatísticas da UE, a quota de eletricidade gerada a partir de fontes renováveis, em percentagem do consumo bruto de eletricidade em cada Estado-membro em 2016, foi em média de 30% no conjunto da UE, tendo cinco Estados-membros superado a fasquia dos 50%, designadamente Áustria (72,6%), Suécia (64,9%), Portugal (54,1%), Dinamarca (53,7%) e Letónia (51,3%).

No extremo oposto da lista, com quotas inferiores a 10%, surgem Malta (6%), Luxemburgo e Hungria (ambos com 7%) e Chipre (9%).

O Eurostat aponta que, entre as fontes de energia renováveis, a mais importante foi a hidroelétrica (36,9%), seguida de perto pela eólica (31,8%), surgindo no terceiro posto a energia solar (11,6%). As restantes fontes -- incluindo biogás, energia geotérmica, lixos renováveis e madeira -- contribuíram com 19,7%.

Em 2016, no mês de maio, o consumo de eletricidade em Portugal foi totalmente assegurado durante mais de quatro dias seguidos por fontes renováveis, atingindo um "recorde nacional" neste século, anunciou então a associação ambientalista Zero.

Segundo os ambientalistas, o consumo de eletricidade foi "assegurado integralmente" por fontes renováveis durante um total de 107 horas seguidas, período no qual "não foi preciso recorrer a nenhuma fonte de produção de eletricidade não renovável, em particular à produção em centrais térmicas a carvão ou a gás natural".

Exclusivos