Plano de cooperação com São Tomé decorre de forma excelente - Governo português

A secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, Teresa Ribeiro, afirmou hoje que o Programa Estratégico de Cooperação (PEC) entre Portugal e São Tomé e Príncipe tem decorrido de forma "excelente", embora as partes admitam "ajustes".

"Concluímos que a cooperação tem decorrido de forma absolutamente excelente, que ela tem sido decisiva na formação profissional, que é uma área estratégica para São Tomé", disse Teresa Ribeiro, que concluiu hoje uma visita de dois dias ao país.

"É sempre preciso ajustar, é uma avaliação de meio percurso para se saber o que é que correu bem, o que correu menos bem e o que é que pode correr melhor. E nós estamos nessa fase", acrescentou a governanta portuguesa.

Portugal e São Tomé assinaram um Programa Estratégico de Cooperação em 2016, avaliado em 57 milhões de euros, para um período de cinco anos, sendo que menos de metade do valor global já foi gasto.

O Governo são-tomense está a preparar o Orçamento Geral do Estado para 2019 e precisa negociar com as autoridades portuguesas as áreas de cooperação nas quais Portugal pode investir parte das verbas disponíveis, que rondam os 32,5 milhões de euros.

"A decisão, essa é segura, é que vamos continuar a trabalhar em conjunto. O PEC está, em termos de execução, a 43 por cento, o que significa um desvio positivo da ordem de três por cento, e vamos continuar a trabalhar para que quando chegar ao seu termo, no final do próximo ano, tenha sido um programa que correspondeu aquilo que eram os seus objetivos e foi capaz de contribuir para o desenvolvimento sustentável em São Tomé", disse Teresa Ribeiro.

Nos últimos dois dias, a delegação portuguesa reuniu-se com os ministros da Educação e Ensino Superior, da Saúde, dos Negócios Estrangeiros, Cooperação e Comunidades, do Trabalho, Solidariedade, Família e Formação Profissional e da Justiça, Direitos Humanos e Administração Publica, do governo são-tomense.

"Tratou-se de avaliar aquilo que devemos fazer em termos de atividade até ao final do programa estratégico de cooperação", concluiu Teresa Ribeiro.

Exclusivos