Pianista Maria João Pires promete "tudo fazer" para merecer a Medalha de Mérito Cultural

Castelo Branco, 19 mai 2019 (Lusa) - A pianista Maria João Pires afirmou hoje que não sabe se mereceu no passado a Medalha de Mérito Cultural, com que foi agora distinguida, mas prometeu tudo fazer para a merecer no futuro.

"Quero agradecer esta medalha [Mérito Cultural], mas queria agradecer-lhe a medalha para o futuro. Eu não sei se a mereci no passado, mas vou fazer tudo o que posso para a merecer no futuro", afirmou a pianista portuguesa.

Maria João Pires falava durante a cerimónia de atribuição da Medalha de Mérito Cultural, com a qual a ministra da Cultura, Graça Fonseca, a agraciou numa cerimónia no Centro Belgais para o Estudo das Artes, em Escalos de Baixo, Castelo Branco.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, esteve também na cerimónia, mas não prestou declarações.

A pianista, visivelmente emocionada com a distinção, recordou que Belgais existe para fazer um trabalho útil e construtivo para a sociedade e para as novas gerações, como forma de usar e fazer arte, "para que o mundo seja melhor e as pessoas mais felizes".

"Nós somos um laboratório em Belgais, na medida em que tudo o que fazemos é um pouco experimental e isso precisa muito, não do reconhecimento, mas de as pessoas acreditarem. A vossa presença foi essencial aqui e é muito importante para nós", concluiu.

A ministra da Cultura atribuiu a Medalha de Mérito Cultural à pianista destacando o seu "serviço de exceção" na divulgação cultural e a sua "entrega à música".

"Esta medalha simboliza um compromisso do Governo com as artes e uma aproximação entre as políticas públicas para a Cultura e aqueles que, através do país e ao longo do tempo, prestaram um serviço de exceção na ação e divulgação cultural em Portugal", afirmou Graça Fonseca.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.