PEV quer acabar com subsídios a afastar das populações culturas superintensivas

Lisboa, 12 jun 2109 - O PEV anunciou hoje a apresentação de dois diplomas para impedir subsídios ou outros apoios em relação a projetos de investimento em culturas intensivas ou superintensivas, e para afastar este tipo de produções das zonas populacionais.

Estas duas iniciativas legislativas foram transmitidas pelo deputado ecologista José Luís Ferreira, durante o debate de urgência requerido pelo PEV na Assembleia da República e que contou com a presença do ministro da Agricultura, Capoulas Santos.

José Luís Ferreira defendeu que, em primeiro lugar, tem de existir "um distanciamento das culturas intensivas já existentes relativamente às zonas populacionais".

"A outra iniciativa legislativa pretende impedir que sejam atribuídas medidas agroambientais ou ajudas ou subsídios ao investimento em culturas intensivas e superintensivas", completou, depois de ter feito uma intervenção dura sobre as consequências sociais e ambientais resultantes deste tipo de agricultura de mercado na zona do Alqueva.

"Estas culturas intensivas estão a potenciar seriamente a erosão dos solos, e a utilização de grandes quantidades de produtos fitofarmacêuticos e fertilizantes (por vezes efetuada até de forma desregrada) esta a provocar efeitos a vários níveis: Ao nível da saúde das populações, até porque existem culturas intensivas junto dos aglomerados populacionais, ficando as pessoas expostas a sérios riscos, decorrentes sobretudo da aplicação de agroquímicos; mas também ao nível da qualidade da água, com os fertilizantes e os pesticidas a poluir as águas superficiais e subterrâneas, com reflexos nos ecossistemas", advertiu José Luís Ferreira.

O deputado do PEV mostrou-se igualmente apreensivo com as consequências para a saúde humana, "até porque é sabido que há pessoas que utilizam a água de captações junto a zonas de aplicação, para consumo próprio".

Exclusivos