Pelo menos dez mortos em confrontos numa prisão do Paraguai

Assunção, 17 jun 2019 (Lusa) - Dez reclusos morreram, no domingo, durante confrontos entre grupos rivais de narcotraficantes numa prisão do Paraguai, anunciou o Ministério do Interior paraguaio.

Estes confrontos, em que cinco detidos foram decapitados e três carbonizados, ocorreram na prisão de São Pedro, a 400 quilómetros a norte de Assunção.

Membros do Primeiro Comando da Capital (PCC), um grupo de traficantes de droga originário de São Paulo, no Brasil, e elementos do Clã Rotela, que integra narcotraficantes brasileiros e paraguaios, confrontaram-se naquela prisão, indicou o Ministério.

Os confrontos, que causaram também dez feridos, incluindo quatro em estado grave, começaram a meio do dia e prolongaram-se por cerca de três horas.

De acordo com os primeiros elementos do inquérito em curso, a violência está relacionado com o homicídio na sexta-feira de dois reclusos na cadeia de Tacumbu, em Assunção.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.