OE2019: DGO divulga hoje síntese de execução orçamental até março

Lisboa, 26 abr 2019 (Lusa) -- A Direção-Geral do Orçamento divulga hoje a execução orçamental até março, com o Governo a manter a meta do défice para 2019 em 0,2% do PIB, apesar da revisão em baixa do crescimento económico para 1,9%.

O excedente das administrações públicas fixou-se em 1.301 milhões de euros até fevereiro, uma melhoria de 1.032 milhões de euros face a 2018, com a receita a subir quase 11%, segundo a última síntese de execução orçamental divulgada.

A melhoria até fevereiro deveu-se ao crescimento da receita em 10,7% face ao mesmo período do ano passado, superior à subida da despesa, que foi de 2,7%.

"O dinamismo da economia e do mercado de trabalho, que manteve uma aceleração ao longo de 2018, dá indicações de continuar nos primeiros meses de 2019", frisou o Ministério das Finanças em comunicado sobre a execução até fevereiro.

Os números divulgados pela Direção-Geral do Orçamento (DGO) para o conjunto das administrações públicas são apresentados na ótica da contabilidade pública, ou seja, têm em conta o registo da entrada e saída de fluxos de caixa.

Já a meta do défice é apurada pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), em contas nacionais, a ótica dos compromissos, que é a que conta para Bruxelas.

O Governo manteve a meta do défice em 0,2% do Produto Interno Bruto (PIB) para 2019 no Programa de Estabilidade apresentado em 15 de abril, apesar de ter revisto em baixa o crescimento da economia dos 2,2% previstos no orçamento do Estado para 1,9% do PIB.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.