NOVO TÍTULO: Diretor artístico do Teatro Nacional de São Carlos sem condições para novo mandato

(CORRIGE O TÍTULO ANTERIOR: "Demitiu-se o diretor artístico do Teatro Nacional de São Carlos")

Lisboa, 25 jun 2019 (Lusa) - O diretor artístico do Teatro Nacional de São Carlos (TNSC), Patrick Dickie, anunciou hoje que "não tem condições para equacionar a continuidade naquelas funções", revelou o TNSC.

Em comunicado, o teatro nacional - tutelado pelo Organismo de Produção Artística (Opart) - explica que Patrick Dickie informou hoje a ministra da Cultura da sua decisão, tomada por "razões pessoais".

Segundo o teatro nacional, o mandato de Patrick Dickie termina a 31 de agosto, dia em que efetivamente cessará funções como diretor artístico.

A saída de Patrick Dickie é conhecida numa altura em que os trabalhadores do TNSC e da Companhia Nacional de Bailado estão em greve e que o conselho de administração do organismo que os tutela, o Opart, liderado por Carlos Vargas, não será reconduzido para um segundo mandato.

O Ministério da Cultura deverá anunciar ainda esta semana a composição do novo conselho de administração do Opart.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.