Novo balanço aponta para 52 mortos após explosões no Sri Lanka

Colombo, 21 abr 2019 (Lusa) - Pelo menos 52 pessoas morreram hoje na sequência de uma série de explosões no Sri Lanka, onde muitos fiéis celebravam o domingo de Páscoa, de acordo com um novo balanço feito pela polícia.

Um balanço anterior dava conta que 30 pessoas tinham perdido a vida em Colombo, capital do Sri Lanka, depois de ouvidas várias explosões, em três hotéis de luxo e numa igreja e avançava a existência de 283 feridos.

Um atentado contra uma igreja em Batticola (este) fez, também, pelo menos 10 mortos.

Duas outras igrejas foram também alvo de explosões, uma em Negombo, a norte da capital e onde há uma forte presença católica, e outra ao leste do país.

As explosões ocorreram "quase em simultâneo", pelas 08:45 (03:15 em Portugal), de acordo com fontes policiais citadas por agências internacionais.

"Por favor, permaneçam calmos e dentro de vossas casas. Há muitas vítimas, incluindo estrangeiros", escreveu no Twitter o ministro para as Reformas Económicas e Distribuição Pública do país, Harsha de Silva.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.