Novo aeroporto internacional de Luanda estará concluído entre 2022 e 2023

Luanda, 25 abr 2019 (Lusa) - As obras de construção do novo aeroporto internacional de Luanda poderão estar concluídas entre 2022 e 2023, com recursos financeiros garantidos da linha de crédito da China, disse hoje um responsável da empresa de gestão aeroportuária.

Segundo o coordenador da Comissão de Gestão da Empresa Nacional de Exploração de Aeroportos e de Navegação Aérea (ENANA), Mário Domingues, uma equipa técnica de avaliação da obra está a trabalhar e deverá apresentar resultados até finais deste trimestre.

"É com base nos resultados da equipa técnica que será feito um novo programa de obras. Em princípio, há uma previsão de conclusão da obra entre 2022 e 2023", disse Mário Domingues, em declarações emitidas hoje pela rádio pública angolana.

O coordenador da Comissão de Gestão da ENANA garantiu que "há recursos financeiros disponíveis, no âmbito da linha de crédito da China".

Com o novo aeroporto, o Governo angolano pretende que a nova infraestrutura seja a mais moderna possível e que cumpra os padrões internacionais da organização da aviação civil internacional, disse Mário Domingues.

"E estamos aqui a falar de um aeroporto que se pretende emblemático aqui para a região de África e que seja um 'hub' nesta região também", frisou.

O Governo angolano prevê que o novo aeroporto possa receber até 15 milhões de passageiros por ano.

As obras de construção do novo aeroporto internacional de Luanda começaram em 2004, com empreiteiros e financiamento da China, mas a sua conclusão está atrasada, tendo recentemente o Governo angolano anunciado a reformulação do projeto.

Em março passado, o executivo informou que as obras vão ser submetidas a correções de engenharia e funcionalidade, para adequar a estrutura aos padrões de modernidade, inovação e de conforto dos passageiros.

A infraestrutura está a ser construída na comuna de Bom Jesus, no município de Ícolo e Bengo, a 30 quilómetros de Luanda, capital do país.

Os vários contratos públicos envolvendo as obras daquela infraestrutura e acessibilidades rodoviárias estão avaliados em mais de 5.000 milhões de dólares (cerca de 4.350 milhões de euros).

Recentemente, a Procuradoria-Geral da República de Angola anunciou a recuperação de 286,4 milhões de dólares (cerca de 253,4 milhões de euros), que se encontravam na posse do CIF - Angola, empresa gestora do projeto de construção do novo aeroporto internacional de Luanda.

A recuperação deste valor foi possível na sequência da fiscalização das obras do novo aeroporto feita pelo Ministério dos Transportes.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.