Música nas Serras de Aire e Candeeiros pela proteção dos recursos hídricos

A música de Bernardo Sassetti, Astor Piazzolla e Isaac Albéniz, entre outros, é tocada na Fórnea, no Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros, Porto de Mós, no dia 22, num concerto alusivo à proteção dos recursos hídricos.

Anfiteatro natural e uma das atrações do parque natural, a Fórnea é conhecida pelas cascatas que resultam da água que surge das profundezas da serra na época das maiores chuvas. É esse cenário que inspira a atuação do quarteto Saxofínia neste espetáculo "Sons na Fórnea", explica o saxofonista Alberto Roque.

"Construímos um programa à volta de compositores que tenham uma ligação muito direta com a água ou que vivam em países que tenham proximidade com oceanos".

Assim, no dia 22, na paisagem natural e protegida vai poder ouvir-se a música portuguesa do Eurico Carrapatoso e de Bernardo Sassetti, "nomeadamente um tema que usou no filme 'Maria do Mar'", a espanhola de Albéniz, brasileira de Liduino Pitombeira ou argentina de Piazolla.

"Vai ser um concerto muito apelativo para o público. Queremos que as pessoas saiam felizes, agradadas e não demasiado absorvidas intelectualmente. Esperamos que a música entre facilmente e passe a mensagem da água e da natureza", sublinha Alberto Roque.

Para o quarteto Saxofínia, com 32 anos de carreira, será "uma aventura" tocar num espaço ao ar livre como a Fórnea.

"Nunca tocámos lá, mas já atuámos em sítios como uma gruta. Por isso, acho que vai funcionar bem. A acústica parece funcionar bem", afirma o saxofonista e fundador do grupo, que encara o concerto como "uma oportunidade para as pessoas ouvirem algo diferente de um conjunto de rock ou de baile ou mesmo uma orquestra clássica. Vai ser um momento diferente", promete.

O concerto no Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros - sob o qual existe uma das maiores reservas aquíferas nacionais - integra um conjunto de iniciativas planeadas pelo município de Porto de Mós, que pretende "consolidar uma nova cultura da água", como explica o presidente da autarquia.

Segundo Jorge Vala, "a otimização do uso da água como instrumento imprescindível para a proteção dos recursos hídricos" assume-se como um "objetivo estratégico da autarquia e uma das prioridades deste executivo".

Através da música procura-se "uma forma diferente de sensibilizar para a importância deste recurso", sendo o concerto "Sons na Fórnea" o primeiro.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG