Morreu o arquiteto Augusto Pereira Brandão

O arquiteto Augusto Pereira Brandão, um dos responsáveis pela criação da Faculdade de Arquitetura de Lisboa, morreu na segunda-feira, aos 88 anos, na capital portuguesa, disse hoje à Lusa fonte da Universidade Lusófona.

Antigo vice-reitor desta instituição, Augusto Pereira Brandão desenvolveu um longo percurso ligado ao ensino da arquitetura em Portugal e ao desenvolvimento da construção escolar no país, de que foi um "nome-chave", na segunda metade do século XX.

Nascido em 1930, Augusto Artur da Silva Pereira Brandão formou-se em arquitetura, em 1957, na Escola Superior de Belas Artes de Lisboa (ESBAL), com média final de 20 valores.

Nos anos que se seguiram, exerceu cargos de ensino e gestão em diversas instituições científicas e de ensino superior e, em simultâneo, trabalhou na Junta das Construções Escolares, que marcou o desenvolvimento da arquitetura neste setor.

Augusto Pereira Brandão iniciou o seu percurso pedagógico na ESBAL, tendo sido presidente dos conselhos Diretivo, Científico e Pedagógico, entre 1976 e 1984, e acompanhado o processo de reestruturação desta escola e de criação da Faculdade de Arquitetura de Lisboa. Foi vogal da Comissão Instaladora desta instituição (1984-1986), de que foi presidente do Conselho Diretivo e vice-presidente do Conselho Científico.

Em 1991, iniciou a colaboração com diferentes faculdades de arquitetura, nomeadamente na Universidade Lusíada, de que foi vice-reitor (1991-1994) e, depois, na Universidade Lusófona, de que foi presidente do Conselho Superior Académico, vice-reitor e diretor da Faculdade de Arquitetura e Artes.

Como técnico superior da Junta das Construções para o Ensino Técnico e Secundário e da Direção-Geral das Construções Escolares, entre 1955 e 1974, projetou, entre outros, os edifícios dos liceus - atuais escolas secundárias - Rainha D. Leonor, em Lisboa (1956), Garcia de Orta, no Porto (1966), da Covilhã (1960), de Gondomar (1965), da Maia e de Vila Nova de Gaia (ambas em 1967).

Fez parte do Grupo de Estudos sobre Construção Escolar, que levou à conceção de "escolas-piloto" em Mem-Martins, Barreiro e Vila Nova de Gaia.

Em 1968, esteve também à frente dos projetos de construção das primeiras Escolas Preparatórias/Ciclo Preparatório, do país.

Pereira Brandão dirigiu, ainda, o Gabinete de Estudos para a construção da Universidade Técnica de Lisboa, no atual Campus do Alto da Ajuda da Universidade de Lisboa, onde se encontra a Faculdade de Arquitetura.

De acordo com a sua biografia, desenvolveu também trabalho na recuperação de património, em Portugal e no estrangeiro.

Além de obra publicada, no campo pedagógico, como "Estudo da Criação Arquitetónica", tem também intervenções em revistas da especialidade, e é autor de "Retrato de um arquiteto renascentista: L.B. Alberti", e dos álbuns "Desenhar Lendas" e "A Aventura portuguesa" (com Michael Teague), sobre a História de Portugal e dos Descobrimentos, em particular.

Há um ano, em maio de 2017, a Faculdade de Arquitetura de Lisboa inaugurou a exposição "Vida e obra de Augusto Pereira Brandão", destacando a sua ação para o "Património Português e o seu Imaginário", na Junta das Construções Escolares do antigo Ministério das Obras Públicas, e para a criação da Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa.

De acordo com a Universidade Lusófona, na nota de pesar pela morte do seu antigo dirigente, as cerimónias fúnebres de Augusto Pereira Brandão realizam-se na quarta-feira, em Lisboa, a partir das 16:00, com missa de corpo presente na Igreja do Santo Condestável, seguida de cremação, no Cemitério dos Olivais.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.