Moçambique precisa de maior inclusão e cultura de paz - bispo anglicano

Uma maior inclusão e cultura de paz são fatores chaves para evitar o regresso do conflito em Moçambique registado em 2014, afirmou hoje Carlos Simão Matsinhe, bispo da Igreja Anglicana no Lebombo, sul do país.

No seminário "Reconciliação e Reconstrução em Moçambique: o papel da igreja anglicana", organizado pelo Instituto Real de Relações Internacionais (Chatham House) em Londres, o sacerdote identificou a questão da falta de inclusão como uma das ameaças à paz.

"Temos o acordo de paz, e graças a Deus que durou tanto tempo, mas há uma crescente insatisfação. As eleições democráticas que foram descritas como justas, mas há vozes da oposição a dizer que não foram", comentou.

Matsinhe refere que, em democracia, as pessoas esperam que a certa altura vão conseguir chegar ao poder, mas em Moçambique o partido no poder, a Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), venceu as quatro últimas eleições.

"As pessoas começaram a questionar o tipo de democracia que temos", admitiu.

Porém, vincou não existir outro caminho e manifestou confiança que as negociações entre a Frelimo e o movimento histórico da oposição, a Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), cheguem a um acordo.

O bispo disse que a Igreja Anglicana continua empenhada no processo de paz, promovendo programas de educação para incutir uma "cultura de paz" nos moçambicanos, trabalhando com outras organizações religiosas e através da mediação de conflitos, quando é requisitada.

"Quando construirmos uma cultura de paz e estabilidade, os líderes não terão espaço para seguir outras ideias que tenham", vincou.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG