Migrações: Pedidos de asilo de menores não acompanhados estão a diminuir na UE

Bruxelas, 26 abr 2019 (Lusa) -- Um total de 19.700 menores não acompanhados pediram asilo na União Europeia (UE) em 2018, uma diminuição de mais de um terço em relação ao ano anterior (31.400), segundo dados divulgados hoje pelo Eurostat.

De acordo com o gabinete de estatísticas da União Europeia (UE), esta redução traduz-se no menor pedido de asilo de menores não acompanhados desde 2014 (23.100), ano em que houve um crescimento acentuado em relação ao período 2008-2013, durante o qual o número de pedidos rondou os 12.000.

Em 2018, a maioria dos menores não acompanhados que pediram asilo num dos Estados-Membros da UE era do sexo masculino (86%), tinha uma idade compreendida entre os 16 e os 17 anos (14.800 pessoas) e era oriundo de um de seis países: Afeganistão (16%), Eritreia (10%), Paquistão e Síria (ambos com 7%), Guiné ou Iraque (6%).

Em Portugal, o número de pedidos continua a ser residual, com apenas 40 menores a solicitarem formalmente asilo no país, ou seja, 0,2% do total da UE. Desses, 10 são oriundos da República Democrática do Congo, 10 da Guiné e cinco da Guiné-Bissau.

A Alemanha continua a ser o destino preferencial dos menores não acompanhados, com 4.100 pedidos de asilo, um número substancialmente inferior a 2017 (9.085), mas que ainda assim representa 20,7% do total da UE. Seguem-se a Itália (3.900 ou 19,7%), o Reino Unido (2.900 ou 14,5%) e a Grécia (2.600 ou 13,4%).

Um requerente de asilo considerado como menor não acompanhado é uma pessoa com menos de 18 anos que entra no território de um dos Estados-membros sem estar acompanhado por um adulto que por si seja responsável.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.