Macron inaugura "novo ato" do seu mandato com menos impostos

Paris, 25 Abr 2019 (Lusa) - O Presidente francês apresentou hoje as medidas retiradas do debate com os cidadãos franceses, assegurando uma redução "significativa" dos impostos sobre o trabalho, menos gastos no Estado, e garantiu que não fecharão escolas nem hospitais até 2022.

Perante os membros do Governo e centenas de jornalistas, mas também acompanhado na televisão por milhões de franceses, Emmanuel Macron apresentou hoje as suas conclusões do Grande Debate, servindo-se da ocasião para relançar o seu mandato e "um novo ato" da República.

"Os coletes amarelos são um movimento inédito que mostrou a cólera e a impaciência para que as coisas mudem e que o povo francês continue a progredir num mundo incerto. [...] Este movimento foi tomado pelos extremismos. Agora é a altura da ordem pública voltar", disse o Presidente no início da sua comunicação ao país, à qual se seguiram questões colocadas por jornalistas.

Segundo o chefe de Estado, este movimento mostrou "os ângulos mortos" da sociedade francesa, dizendo estar "orgulhoso" da participação de milhares de cidadãos no Grande Debate que mostraram ser "filhos das Luzes", levando a que "face ao sentimento de injustiça" o Governo "volte a colocar o homem no centro do projeto político".

Desde logo, Emmanuel Macron apresentou uma reorganização do Estado, nomeadamente a redução de deputados, limitação de mandatos para os eleitos políticos, reforço da utilização dos referendos - avançando com a possibilidade de um milhão de assinaturas de cidadãos poder dar origem a uma lei ou um referendo. O Governo vai avançar com uma revisão constitucional até ao verão.

O Presidente falou ainda sobre uma nova vaga de descentralização, com mais poderes para os eleitos locais e a reorganização da função pública.

Quanto aos altos funcionários do Estado, Macron anunciou o fim da escola ENA, onde são formados estes quadros, mas disse que a França precisa "de um serviço de excelência e não de um trabalho para a vida".

Mas também negou algumas propostas repetidas pelos coletes amarelos e ouvidas em vários debates como a introdução do voto obrigatório ou a representação do voto branco na Assembleia Nacional. "O voto branco é negligente. não vou adotar essa medida porque já temos uma crise de ineficácia. [...] Temos de fazer uma escolha no voto e essa escolha é importante. O branco não é uma decisão, é uma escolha fácil", afirmou o Presidente.

Emmanuel Macron prometeu ainda baixar os impostos sobre os rendimentos.

"Eu vou baixar os impostos a quem trabalha, reduzindo significativamente o imposto sobre os salários [...] Podemos fazer mais, gastando menos e extinguindo órgãos que não servem para nada", indicou ainda o Presidente. Tal como já tinha sido anunciado pela comunicação social francesa, as reformas abaixo dos 2.000 euros serão reindexadas.

Segundo o governante, a maior desigualdade entre franceses não é fiscal, mas sim desde a nascença. Por isso, prometeu um maior investimento nos primeiros 1000 dias das crianças francesas assim como uma maior aposta na educação, limitando as turmas desde a creche à escola primária a 24 alunos.

Sobre as alterações climáticas, o Presidente vai criar um conselho de defesa ecológica constituído por 250 cidadãos escolhidos ao acaso e que vão trabalhar a partir de junho na definição de medidas que vão entrar no quotidiano de todos os franceses.

Apesar de ter enunciado várias medidas, o Presidente indicou que muitas serão ainda trabalhadas pelo Governo.

Contudo, avançou já com algumas medidas concretas: a constituição de uma nova forma de atendimento ao público fora das grandes cidades, a "France Service" e garantiu ainda que até 2022 não haverá encerramento de escolas ou hospitais sem acordo das autoridades locais.

Emmanuel Macron tinha planeado anunciar essas medidas no dia 15 de abril, mas quando o discurso já estava pronto para ser transmitido, um incêndio tomou conta da catedral de Notre-Dame, forçando o Presidente a cancelá-lo.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.