Luís Castro quer Vitória "incisivo" em jogo "difícil" com Aves

Guimarães, Braga, 18 abr 2019 (Lusa) - O treinador Luís Castro afirmou hoje que o Vitória de Guimarães deve ser "incisivo" no ataque e equilibrado na defesa para vencer na receção ao Desportivo das Aves, para a 30.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol.

O técnico afirmou que o jogo de sexta-feira se reveste de "dificuldades", já que a equipa avense, 14.ª classificada da prova, com 30 pontos, tem aproveitado a forma compacta como defende e a velocidade com que ataca para somar pontos nas últimas seis partidas disputadas fora - três vitórias e três empates.

"Temos de fazer uma circulação muito rápida e de ser muito incisivos no último terço do campo. Vamos ter de retirar os espaços [ao Aves], de estar muito atentos aos equilíbrios defensivos e de ter um ataque com muitos jogadores", disse, na conferência de imprensa de antevisão ao jogo marcado para as 20:30 de sexta-feira, em Guimarães.

A equipa minhota venceu, por seu turno, os últimos quatro encontros da I Liga realizados no Estádio D. Afonso Henriques, e, segundo Luís Castro, quer repetir os "bons desempenhos" que tem apresentado em casa, ao contrário do que tem acontecido nas partidas disputadas fora.

Os vimaranenses perderam seis dos últimos oito jogos fora, o último dos quais com o Rio Ave (2-1), e o treinador admitiu que esse "caminho de intermitência" está a afetar a busca pelos objetivos definidos para esta época - a equipa ocupa o sexto lugar, com 45 pontos, e quer atingir o quinto, ocupado pelo 'vizinho' Moreirense, com 49.

O técnico admitiu, aliás, que o Vitória vive um "momento classificativo difícil", com "cinco batalhas muito duras" pela frente, duas delas fora, perante Sporting (31.ª jornada) e Moreirense (34.ª jornada), nas quais vai tentar "retificar a imagem" ultimamente deixada.

Questionado sobre uma alegada falta de alternativa ao sistema tático que habitualmente utiliza (4x3x3), Luís Castro disse preferir um modelo capaz de se desdobrar em várias dinâmicas ofensivas do que trocar constantemente de sistema, mesmo quando isso não é adequado às características dos jogadores que tem.

"No futebol, há alguns preconceitos e eu não o vou mudar. Mas o futebol também não vai mudar as minhas convicções. Não vou perder a identidade. Prefiro ter um modelo muito rico, que os jogadores consigam interpretar na plenitude, do que não ter ingredientes para fazer uma coisa e procurar fazê-la. Não sou um vendedor de ilusões", disse.

O treinador comentou ainda a contratação do guarda-redes Jhonatan ao Moreirense, oficializada na terça-feira, tendo dito que o Vitória tem três guarda-redes que o deixam "muito tranquilo" - Douglas, Miguel Silva e Miguel Oliveira -, mas está a "antecipar" o mercado de transferências da próxima época, com um "bom ativo".

O Vitória de Guimarães, sexto classificado, com 45 pontos, recebe o Desportivo das Aves, 14.º, com 30, num jogo marcado para as 20:30 de sexta-feira, no Estádio D. Afonso Henriques, em Guimarães.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.