Lousã associa Festival do Cabrito aos 45 anos do 25 de Abril

Lousã, Coimbra, 24 abr 2019 (Lusa) - Treze restaurantes participam no Festival Gastronómico do Cabrito da Lousã, que começa hoje e termina no dia 01 de maio, com algumas iniciativas associadas às comemorações dos 45 anos do 25 de Abril.

"A inovação não se esgota na estratégia da autarquia, estando presente lado a lado com a tradição nas ementas dos restaurantes aderentes", refere em comunicado a Câmara Municipal, presidida por Luís Antunes.

Ao longo de oito dias, os apreciadores da gastronomia tradicional têm ao seu dispor diversos pratos à base dos caprinos jovens, como cabrito assado, no alguidar, grelhado, ensopado, à moda da serra ou à moda do 'chef', diversidade que "certamente agradará até aos mais exigentes", acrescenta.

Para a 14.ª edição do Festival Gastronómico do Cabrito, organizado pelo município com apoio de várias entidades públicas e privadas, o programa "apresenta como inovação o sorteio de um cabaz promocional com produtos do concelho" por restaurante, além de um sorteio a encerrar a iniciativa para um fim de semana num alojamento da Lousã.

Segundo a nota, "as experiências únicas não se esgotam na gastronomia de alto nível, podendo ser complementadas" por visitas aos cinco lugares que integram a rede turística Aldeias do Xisto -- Candal, Cerdeira, Casal Novo, Talasnal e Chiqueiro - ou ao castelo medieval, em plena Serra da Lousã, cujas obras de requalificação são inauguradas no sábado.

A autarquia sugere ainda, designadamente, visitas às ermidas e piscinas naturais da Senhora da Piedade, junto ao castelo, e caminhadas nos percursos pedestres.

"Os mais ávidos pelas letras podem ainda acompanhar o 'Licor Beirão' ou o 'Vinho de Foz de Arouce' com poemas de diversos poetas e poetisas alusivos ao 25 de Abril e à liberdade, (...) com as mesas a terem disponíveis postais com imagens da Revolução de Abril no concelho", em 1974, sendo também declamada poesia nos restaurantes.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.