Lista dos principais projetos do Programa Nacional de Investimentos 2030

Redação, 11 de junho (Lusa): O Governo envia hoje ao parlamento o Programa Nacional de Investimentos 2030 (PNI) que conta com 72 projetos num investimento de 21.950 milhões de euros.

Estes são os principais projetos:

Ferrovias:

Quadruplicação da Linha do Norte: 1.500 milhões de euros

Programa de Segurança Ferroviária, Renovação e Reabilitação e Redução de Ruído: 375 milhões de euros

Programa de Implementação do ERTMS/ETCS + GSM-R: 270 milhões de euros

Programa de Eletrificação da RFN (Linhas do Oeste e Douro): 205 milhões de euros

Ligação da Linha de Cascais à Linha de Cintura: 200 milhões de euros

Programa de gestão de ciclo de vida e desenvolvimento de soluções de telemática ferroviária, melhoria de estações e interfaces de passageiros e medidas de segurança ferroviária-operação: 165 milhões de euros

Programa de aumento de capacidade nas áreas metropolitanas (Linha do Minho, Linha de Cintura): 155 milhões de euros

Corredor Internacional Sul: Nova ligação Sines/Grândola -- Via Única: 120 milhões de euros

Projeto de Modernização da Ligação Lisboa-Algarve: 100 milhões de euros

Programa de melhoria de terminais multimodais incluindo a sua acessibilidade ferroviária: 105 milhões de euros

Projeto de Modernização da Linha do Alentejo: 90 milhões de euros

Projeto de Requalificação do troço Espinho-Oliveira de Azeméis da Linha do Vouga: 75 milhões de euros

Corredor Internacional Norte: Nova ligação Aveiro/Mangualde: 650 milhões de euros

Rodovia:

Programa de Segurança Rodoviária, Renovação e Reabilitação e Redução de Ruído (IC8 - Casas Brancas (A17)/Pombal (Nó da A1): 500 milhões de euros

Programa de Construção de 'Missing´Links' 260 milhões de euros. Inclui a variante à EN14 - Maia/Famalicão (PETI3+): Via Diagonal -Santana, incluindo Ponte S/ Ave; Via do Tâmega --Troço Corgo/A7; IC9 - A23/Ponte de Sôr e IC13 -P.Sôr-/ Alter Chão / Portalegre; IC35 - Penafiel/Entre-os-Rios; IC 11 -- Peniche-Carregado (1.ª fase)

Programa Arco Ribeirinho Sul, Ligação à A2: 200 milhões de euros

Programa de alargamentos/aumentos de capacidade: 195 milhões de euros para variantes Urbanas na EN125, reformulação dos nós da VCI e noIC2/EN1 o aumento de capacidade em Alenquer, Condeixa e Leiria

IP8. Sines --Beja: 130 milhões de euros

Programa de Apoio à Inovação e Eficiência na Rede Rodoviária: 100 milhões de euros

Programa de Valorização das Áreas Empresariais (PVAE) - Fase II: 110 milhões de euros

Programa de Coesão Territorial: 80 milhões de euros (ligação ao IP3 dos concelhos localizados no corredor sul; IC31 - Castelo Branco/Monfortinho)

Rodovia/Ferrovia:

Programa de Conectividade Rodoviária e Ferroviária Transfronteiriça: 200 milhões de euros.

Programa de acessos rodo e ferroviários aos aeroportos nacionais: 130 milhões de euros

Programa de adaptação de infraestruturas de transportes às alterações climáticas: 75 milhões de euros

Mobilidade e Transportes Públicos:

Desenvolvimento de Sistema de Transportes em Sítio Próprio Metros ligeiros, Metrobus, etc.

Lisboa: 670 milhões de euros

Porto: 240 milhões de euros

Outras cidades: 105 milhões de euros

Metro do Porto: 620 milhões de euros

Metro de Lisboa: 445 milhões de euros

Descarbonização da Logística Urbana: 450 milhões de euros

Promoção da Mobilidade Elétrica: 360 milhões de euros

Promoção da Rede Nacional de Interconexão Ciclável: 300 milhões de euros

Promoção da Multimodalidade Urbana: 200 milhões de euros

Setor Aeroportuário:

Expansão do Aeroporto de Lisboa (2ª fase, a 1ª será realizada até 2022): 507 milhões de euros

Outros investimentos (ANA): 200 milhões de euros

Setor Marítimo Portuário:

Porto de Sines: 940 milhões de euros

Porto de Lisboa: 665 milhões de euros

Porto de Leixões: 379 milhões de euros

Porto de Setúbal: 124 milhões de euros

Porto de Aveiro: 113 milhões de euros

Via Navegável do Douro: 102 milhões de euros

Programa de investimentos 'não core': 90 milhões de euros

Ambiente:

Ciclo Urbano da Água: 1.500 milhões de euros

Proteção do Litoral: 720 milhões de euros

Gestão de recursos hídricos: 570 milhões de euros

Resíduos: 350 milhões de euros

Passivos Ambientais: 130 milhões de euros

Recursos Marinhos: 300 milhões de euros

Energia:

Programa de energias de fontes renováveis: 650 milhões de euros

Programa de energias renováveis oceânicas: 1.150 milhões de euros

Programa de promoção da eficiência energética 1.500 milhões de euros

Regadio: 750 milhões de euros

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.