Líder do Movimento pela Extinção da Espécie Humana vai ao Fórum do Futuro no Porto

O ativista norte-americano Les Knight, fundador do Movimento para a Extinção Voluntária da Espécie Humana, vai ser um dos oradores convidados do Fórum do Futuro, anunciou a Mala Voadora, parceira da organização.

A quarta edição do evento, organizado pela Câmara Municipal do Porto, vai decorrer este ano em data a anunciar, e contará com o ativista que defende o fim da reprodução humana pela sustentabilidade do planeta através da organização que fundou em 1991.

A participação do norte-americano está integrada na parceria da Mala Voadora com o fórum, onde será responsável por dois convidados, um ainda por anunciar, e pelo programa de arte Happy Together.

À agência Lusa, Jorge Andrade, da Mala Voadora, explicou que a participação de Knight é "uma coincidência feliz", uma vez que o tema da extinção humana voluntária também surge em "Amazónia", espetáculo que a companhia vai colocar em cena de 09 a 19 de novembro no São Luiz Teatro Municipal, em Lisboa.

Nessa peça, que também será apresentada no Porto, um grupo de pessoas tenta fazer "uma telenovela sobre a causa ecológica, e no processo dão cabo da própria Amazónia", chegando à conclusão que "a exterminação voluntária da espécie humana" é a melhor solução para diminuir o impacto sobre o planeta.

Em 2016, a terceira edição do Fórum do Futuro, de 01 a 06 de novembro, contou com 28 convidados internacionais, que discutiram o tema das "Ligações", sendo que este ano o conceito orientador é "Terra Elétrica", revelou a autarquia portuense no final da última edição.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.