Justiça são-tomense ordena devolução de cervejeira a empresário angolano

O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) de São Tomé e Príncipe ordenou, num acórdão hoje divulgado, a devolução da Rosema, a única cervejeira do país, ao empresário angolano, Mello Xavier.

No acórdão a que a Lusa teve acesso, o coletivo de juízes do caso ordena que "se proceda à restituição imediata da gestão Cervejeira Rosema e todos os bens penhorados e apreendidos na presente execução e outros bens móveis ou imóveis, incluindo todas as ações da Ridux [empresa de direito são-tomense proprietária da fábrica] pertencentes à cervejeira Rosema, à acionista maioritária daquela firma, a sociedade angolana Rudux, na pessoa do seu administrador Mário Silva Mello Xavier, ou a quem ele indicar".

Esta decisão tenta pôr fim a um contencioso sobre a posse da fábrica, que tem sido disputada na justiça angolana e cujos direitos de propriedade foram vendidos a um empresário são-tomense, uma ação que é agora anulada.

Em 2009, um contencioso movido em Luanda contra Mello Xavier por um dos seus sócios levou a que o Tribunal Marítimo de Luanda solicitasse ao Supremo Tribunal de São Tomé a penhora dos bens do empresário angolano em São Tomé que incluía a Rosema.

Meses depois, o Tribunal Marítimo de Luanda viria a devolver ao Mello Xavier o direito de propriedade da cervejeira. Nessa altura, a fábrica já havia passado para a posse do empresário são-tomense Domingos ('Nino') Monteiro.

Nino Monteiro é um dirigente político do Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe - Partido Social-democrata (MLSTP-PSD), principal partido da oposição, que é acusado de ter ligações ao primeiro-ministro e líder do partido no poder, Ação Democrática Independente (ADI).

A 09 de abril, a Lusa divulgou que o Tribunal Supremo de Angola exigia do seu congénere são-tomense o cumprimento de uma carta rogatória, cuja consequência seria a entrega da cervejeira Rosema a Mello Xavier.

O governo são-tomense manifestou desagrado e em comunicado datado de 13 abril disse que o caso da Cervejeira Rosema está "transitado em julgado" e que a devolução da carta rogatória conforme insiste o Supremo Tribunal de Angola "não significa a reabertura do processo".

Hoje num acórdão de 64 paginas, que tem como relator o juiz Frederico da Glória, o Supremo Tribunal de Justiça de São Tomé e Príncipe obriga igualmente aos atuais gestores da fábrica "à restituição e entrega de todo a escrituração comercial, livros contabilísticos, arquivos e demais papeis e documentos da mesma cervejeira Rosema" ao empresário Mello Xavier.

O acórdão do STJ declara também a "nulidade de todo o processo judicial em São Tomé entre a Ridux e a JAR -- Comércio, prestação de serviços e Agropecuária [atual administração], bem como todas as decisões contraditórias nele contido e quaisquer outros processos inerentes à cervejeira Rosema", revogando "todos os atos praticados" nos processos datados de 2009.

Os conselheiros do Supremo Tribunal de Justiça declararam igualmente a "cessação imediata de funções" do administrador provisório, António Monteiro Fernandes, e dos seus auxiliares diretos, Óscar Baía e Julho Carvalho.

O tribunal cancelou também com efeito "imediato" nas Conservatórias dos Registos Comercial e Predial competentes "todos e quaisquer registos de transmissão ou oneração que aí hajam sido feitos com base nos referidos autos de penhora e em datas posterior a estes".

O Supremo ordenou igualmente o cancelamento de todas as contas bancárias, depósitos e outras em nome da cervejeira e ordena a António Monteiro que proceda aos "inventários, prestação de contas e a devolver imediatamente todas as chaves e informações de segurança da cervejeira Rosema".

Fonte do STJ disse à Lusa que foi ordenado à Polícia Nacional o envio de agentes para a fábrica de modo a evitar eventuais atos de sabotagem.

O advogado de Mello Xavier, Pósser da Costa, e o seu administrador, Manuel Martins Quaresma, deverão tomar posse ainda hoje da cervejeira Rosema.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?