Jim Mattis diz em cerimónia privada que rejeita ações unilaterais contra o Irão

Abu Dabi, 22 mai 2019 (Lusa), O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Jim Mattis, afirmou que Washington deve conseguir mais compromissos e intervir menos militarmente, rejeitando ações "unilaterais" contra Teerão.

Mattis, general na reforma, fez as declarações sobre o papel dos Estados Unidos num discurso que não estava anunciado e que decorreu na segunda-feira à noite numa cerimónia em honra do príncipe Mohamed bin Zayed Al Nahyan, de Abu Dabi, Emirados Árabes Unidos.

De acordo com uma notícia publicada hoje no jornal The National, ligado ao governo dos Emirados Árabes Unidos, Mattis disse também que o "comportamento do Irão tem de mudar", mas acrescentou que "as ações unilaterais não são a forma de enfrentar" o regime de Teerão.

"Os militares têm de trabalhar no sentido de ganharem tempo para que os diplomatas possam 'fazer magia'", disse Mattis, segundo o jornal.

"Por vezes, a América pode frustrar-vos pela forma como governa, mas os Emirados Árabes Unidos e a América encontraram sempre bases de consenso e sobre isso não tenho dúvidas", acrescentou no mesmo discurso, que ainda não foi comentado pela Casa Branca.

As declarações do secretário de Defesa norte-americano ocorrem numa altura em que o Presidente dos Estados Unidos tem vindo a endurecer posições contra o Irão.

Entretanto, o presidente iraniano, hoje disse a um grupo de líderes religiosos que está a tentar reforçar os poderes executivos para enfrentar a "guerra económica" provocada por Donald Trump.

De acordo com a agência IRNA de Teerão, o presidente Hassan Rohani referiu-se à guerra contra o Iraque, nos anos 1980, quando o Conselho Supremo iraniano reforçou poderes no sentido de tomar decisões em relação ao conflito e à situação económica.

Rohani disse ainda que o Irão está a enfrentar problemas financeiros sem precedentes relacionados com a venda de petróleo, tendo sublinhado que "o país está unido" e que vai "resistir às sanções dos Estados Unidos".