Investigadores do Porto querem tornar alimentos saudáveis mais apetecíveis

Investigadores do Porto estão a estudar as propriedades de alimentos e bebidas benéficas para a saúde, mas com compostos que podem ser desagradáveis ao paladar, de forma a torná-los mais apetecíveis para os consumidores.

"O sabor dos alimentos é a chave na escolha do consumidor", indicou à Lusa a responsável pelo projeto, Susana Soares, acrescentando que "não interessa o quão saudável um determinado alimento ou bebida possa ser, se o seu sabor não agradar, é pouco provável que tenha sucesso".

Segundo indica a investigadora do Departamento de Química da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP), neste projeto, designado "FoodNanoSense", estão a ser estudados os compostos fenólicos (CF) produzidos pelas plantas e presentes em alimentos de origem vegetal, como o vinho tinto, o chocolate, a cerveja e os sumos de fruta.

Estes compostos "têm propriedades sensoriais não muito agradáveis", nomeadamente sabor amargo e adstringência (sensação de secura e aspereza), o que "pode comprometer" a sua ingestão, mas são também responsáveis por outras sensações na cavidade oral, como o aroma, a textura e as sensações de calor e de frio.

São, no entanto, considerados "nutracêuticos" (junção de nutriente e farmacêutico), devido aos seus benefícios para a saúde, como é o caso da ação anticancerígena e da proteção cardiovascular.

A equipa de investigação pretende então perceber como é que os CF desencadeiam esses "sabores" e estudar algumas opções para os modular a nível industrial, tendo assim "influência na área da saúde preventiva e dos alimentos funcionais".

O teor em CF, segundo indica, pode ser controlado e adaptado através da escolha da matéria-prima (tipo de frutos ou vegetais), da altura da colheita (frutos pouco ou mais maduros) e de uma série de tratamentos a nível industrial.

"Um dos tratamentos mais comuns na indústria vinícola", por exemplo, "é a colagem", que resulta na "clarificação do vinho por precipitação de alguns CF mais reativos, nomeadamente os taninos", explicou.

Susana Soares considera que níveis equilibrados de adstringência "são quase sempre desejados" no vinho tinto, na cerveja e no chá, sendo "importante", no entanto, "salientar que esses níveis dependem muito dos hábitos culturais da população".

"Na nossa cultura, a adstringência é um fator de qualidade do vinho tinto", o qual pretende-se que "desenvolva níveis equilibrados", mas, caso isso não aconteça, o mesmo "é percebido como um vinho "sem corpo" e aguado".

Outro dos objetivos do projeto é desenvolver um biossensor para a adstringência, de "uso fácil e exato", passível de ser usado diretamente na produção.

Participam nesta investigação membros da FCUP, do CINTESIS - BioMark Sensor Research - da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, do 'German Institute of Human Nutrition' (DIfE) e da UNICER.

O projeto "FoodNanoSense: Compreensão do amargor e adstringência dos polifenóis presentes em alimentos para o desenvolvimento de um biossensor" finaliza em 2019 e é financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) e pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER).

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...