Wimbledon: Favoritos seguem Federer até à segunda ronda com exceção de Thiem

Londres, 02 jul 2019 (Lusa) - O tenista suíço Roger Federer estreou-se com uma vitória na presente edição de Wimbledon, terceiro 'Grand slamn' da temporada, ao derrotar o sul-africano Lloyd Harris, num dia também com triunfo de João Sousa.

Além da passagem do suíço e do jogador luso, o dia ficou marcado pela eliminação de mais um top-10, após a derrota do austríaco Dominic Thiem, número quatro mundial, ante o norte-americano Sam Querrey (semifinalista em 2017).

Roger Federer alcançou assim a sua 17.ª vitória consecutiva na primeira ronda de Wimbledon, em 21 participações, ao bater o 86.º ATP pelos parciais de 3-6, 6-1, 6-2 e 6-2, indo agora defrontar o 'wild card' britânico Jay Clarke na próxima ronda.

Muito embora tenha somado o 96.º triunfo na relva londrina, o helvético não conseguiu evitar a derrota no primeiro 'set', ao ser quebrado no sexto jogo pelo jovem Harris, de 22 anos, a jogar pela primeira vez o quadro principal no All England Club, onde o torneio decorre até 14 de julho.

"Fiquei em apuros cedo, senti-me um pouco frio, as minhas pernas não estavam a responder devidamente e o 'court' estava um bocadinho pesado. O Lloyd estava a bater forte e as coisas aconteceram muito rapidamente. Ele deixou-me nervoso durante um 'set' e meio. Depois, entrei no encontro, mas foi preciso um grande esforço. Mentalmente sabia que, para o meu adversário, era um longo caminho até ao final. E é nessa altura que a experiência entra em jogo", explicou o suíço, de 37 anos, que está à procura do 21.º troféu do 'Grand Slam'.

Tal como Federer, Rafael Nadal confirmou o seu favoritismo frente ao japonês Yuichi Sugita (274.º ATP), que cedeu a qualificação para a fase seguinte em três 'sets', por 6-3, 6-1 e 6-3, em duas horas de encontro.

Ultrapassado Sugita, o espanhol e número dois mundial marcou encontro com o australiano Nick Kyrgios (43.º), com quem tem trocado algumas palavras nos últimos tempos, após a vitória deste frente ao compatriota Jordan Thompson, por 7-6 (7-4), 3-6, 7-6 (10-8), 0-6 e 6-1.

À semelhança de Nadal, de 33 anos, o português João Sousa (66.º ATP) também se impôs ao seu primeiro adversário no All England Club, onde tem como melhor registo a terceira ronda disputada em 2016.

Diante o britânico Paul Jubb, campeão nacional universitário nos Estados Unidos que recebeu um 'wild card' para se estrear em Wimbledon, o vimaranense assegurou a qualificação para a segunda eliminatória em quatro 'sets', pelos parciais de 6-0, 6-3, 6-7 (8-10) e 6-1, em duas horas e 16 minutos.

Na competição feminina, a campeã em título Angelique Kerber e a líder do 'ranking' WTA, Ashleigh Barty, entraram com o 'pé direito' na relva britânica e garantiram facilmente a continuidade em prova.

Enquanto a alemã Kerber, número cinco mundial, afastou a compatriota Tatjana Maria (65.ª WTA) por 6-4 e 6-3, em uma hora e 21 minutos, a australiana e campeã de Roland Garros, que brilhou recentemente na relva de Birmingham, bateu a chinesa Saisai Zheng (43.ª WTA) igualmente em dois 'sets', pelos parciais de 6-4 e 6-2, ao cabo de uma hora e 16 minutos.

Já Serena Williams, sete vezes campeã do 'major' inglês, eliminou a italiana Giulia Gato-Monticone, por 6-2 e 7-5, numa jornada em que a russa Maria Sharapova, depois de estar em vantagem 6-4 e 5-2, desistiu com queixas no pulso esquerdo e a espanhola Garbine Muguruza, campeã em 2016, foi eliminada na estreia pela brasileira Beatriz Haddad Maia.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.