Web Summit: Marcelo faz apelo à paz e liberdade, contra onda de intolerância

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, encerrou hoje a Web Summit, em Lisboa, com um apelo para que a "revolução digital" vá contra "a onda" da intolerância e lute pela "paz e pela liberdade".

"A revolução digital tem de ser para o diálogo, para a paz. Sei que é difícil, porque esta onda que atravessa o mundo vai durar quatro, seis, oito anos, mas é o oposto da revolução digital, do seu significado", afirmou, num discurso em inglês.

Para contrariar "a onda que atravessa o mundo", pediu aos participantes para lutarem "pelos valores, pela liberdade, pelo multilateralismo, pela paz", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, aplaudido pelos participante durante 25 segundos, quando entrou no palco do Altice Arena, decorado com cubos de "led" rosa, verde e azul, e dois ecrãs gigantes de televisão.

Depois de uma intervenção do Presidente da República, o fundador da cimeira de tecnologia e inovação Web Summit, Paddy Cosgrave, dirigiu, no meio da plateia, palavra ao lotado Altice Arena por breves segundos para declarar encerrada a edição de 2018.

A edição deste ano da Web Summit, a terceira em Lisboa, juntou 69.304 participantes de 159 países, mais de 1.200 oradores, mais de 1.500 investidores e 2.600 jornalistas.

A cimeira tecnológica, de inovação e de empreendedorismo Web Summit nasceu em 2010 na Irlanda e mudou-se em 2016 para Portugal e desde essa altura terá gerado um impacto económico de mais de 500 milhões euros.

O contrato inicial previa três edições, mais duas opcionais, mas em outubro foi anunciado que a cimeira ficará até 2028 na capital portuguesa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.