Web Summit: Mais de 100 investidores brasileiros participam em missão empresarial a Portugal

Um total de 120 investidores brasileiros, entre os quais presidentes executivos, realizam uma missão empresarial a Portugal para participar na cimeira de tecnologia Web Summit, que decorre entre 05 a 08 de novembro em Lisboa.

A missão empresarial é promovida entre os dias 04 e 11 de novembro pela companhia portuguesa Atlantic Hub, criada por brasileiros e portugueses para promover negócios entre o Brasil e Portugal, nomeadamente ajudando empresários a instalar-se no país.

Em declarações à agência Lusa, o presidente executivo da Atlantic Hub, Eduardo Migliorelli, explicou que a iniciativa, realizada em parceria com Federação das Câmaras de Comércio Portuguesas do Brasil, a Câmara de Comércio e Indústria Luso-Brasileira em Portugal e a empresa Nogap Ventures, "vai trazer por volta de 120 empresários brasileiros para cá, para que possam conhecer o que está a acontecer aqui, 'in loco'".

Em causa estão "empresários das áreas da inovação e tecnologia", entre os quais "CEO [presidentes executivos] de empresas de investimento" que vão participar na Web Summit, que decorre pela terceira vez em Lisboa, após ter, no ano passado, reunido na capital cerca de 60 mil pessoas de 170 países, das quais 1.200 oradores, duas mil 'startups', 1.400 investidores e 2.500 jornalistas.

"Já temos confirmações do mercado de 'ventures' [capital de risco] do Brasil e vêm também pessoas que têm interesse conhecer questões como os vistos 'gold' e como funciona residir em Portugal", assinalou Eduardo Migliorelli.

No fundo, "são pessoas que querem expandir os seus negócios aqui para a Europa, querem entender se o local para iniciar as operações é Portugal, querem entender os benefícios, querem conhecer quem está a tomar as decisões", elencou o responsável.

"O nosso intuito não é passear, é fazer negócio, é fazer acontecer", vincou, notando que, depois da missão, a Atlantic Hub vai contabilizar "o número de parcerias criadas, o número de negócios concretizados, o número de investimentos fechados nesse grupo que vem para cá".

Apesar de não apontar metas quantitativas, Eduardo Migliorelli disse não duvidar do potencial da cimeira enquanto porta de entrada na Europa, isto porque "é o maior evento de tecnologia e inovação do mundo", justificou, lembrando ainda as "conferências a acontecer com importantes decisores".

A missão empresarial inclui visitas técnicas a aceleradoras e incubadoras portuguesas, encontros com investidores, reuniões com decisores políticos e ainda apresentações sobre os incentivos à instalação no país.

A Atlantic Hub, em parceria com a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial, vai ainda ter um 'stand' no evento, espaço que custou "uma pipa de massa", segundo Eduardo Migliorelli.

"É um investimento brutal de uma empresa portuguesa", notou, explicando que este será "um local onde os participantes na missão podem expor os seus negócios".

No ano passado, a Atlantic Hub já tinha promovido uma missão empresarial no âmbito do evento, mas era mais pequena, reunindo 30 empresários.

Eduardo Migliorelli considerou ainda que o crescimento do ecossistema empreendedor em Portugal, nomeadamente na capital, não se trata de uma moda.

"Portugal está a consolidar-se como um 'hub' de negócios para a Europa e, por essa razão, é que estamos a contribuir para a vinda das empresas para cá", adiantou.

A cimeira tecnológica, de inovação e de empreendedorismo Web Summit nasceu em 2010 na Irlanda e mudou-se em 2016 para Lisboa.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.