Web Summit: Football ISM quer reinventar a gestão dos clubes de futebol

Com uma base de dados que já alberga milhares de atletas, o Football ISM é uma aplicação que faz a gestão de um clube de futebol e de todos os seus departamentos, como se de uma empresa se tratasse.

O projeto nasceu há cinco anos, no seio da academia de futebol do Sporting Clube de Portugal, em Alcochete, também com os "preciosos contributos" de Chelsea e Barcelona, mas "ganhou asas" e hoje chega a vários emblemas europeus e até a África, disse à Lusa Filipe Esteves, diretor da AGAP2, empresa que criou a aplicação.

A empresa está na Web Summit, em Lisboa, para mostrar todas as potencialidades desta tecnologia e explica que o que está em causa é a digitalização e gestão integrada dos clubes de futebol, à semelhança de uma qualquer empresa.

"Somos uma plataforma completa para a gestão de todos os departamentos de um clube de futebol, desde a área técnica, nutricional, 'scouting', académica e psicológica dos atletas", começa por esclarecer Filipe Esteves, que acrescenta que uma ferramenta deste tipo é muito útil aos clubes que apostam na formação.

"Estudamos padrões para ultrapassar adversidades e antecipar as dificuldades. Ao analisarmos a componente desportiva e física do atleta, tudo agregado, conseguimos estar para lá da simples intuição. Conseguimos analisar toda a evolução de um jogador, com dados concretos, e tomar uma decisão mesmo que estejamos sentados a uma mesa de reuniões. Não queremos substituir a pessoa que toma a decisão, mas sim empoderá-la de forma a poder decidir com toda a informação".

Filipe Esteves admite que o futebol continua a ser "amador" em termos de processos, apesar da sua missão de "desenvolver talento". Por isso, frisa, "este tipo de ferramentas permite saber onde ele está e assegurá-lo em primeiro lugar".

Em Portugal, o clube que esteve na origem deste projeto foi o Sporting, e hoje utiliza esta ferramenta, mas o responsável adianta que a tendência é para aumentar, pois a Escola Superior de Desporto de Rio Maior utiliza esta ferramenta no seu curso de treinadores.

Se junto da nova geração a aceitação deste tipo de ferramentas é grande, Filipe Esteves assume que é mais difícil convencer os treinadores mais velhos, que circulam no mundo do futebol há mais anos. O presidente executivo da AGAP2 explica que muitas vezes este tipo de partilha de informação é vista com "desconfiança".

"Ainda persiste a ideia de que a propriedade intelectual dos treinos que são dados no clube pertence ao treinador, quando não é verdade. Pertencem ao clube, mas há a dificuldade de uma determinada geração de treinadores entenderem isso. E não há força dos clubes para o combater", sublinha.

Segundo Filipe Esteves, "este é um produto que pode ir dos 400 aos quatro mil euros. Quanto mais pequeno o clube, menos paga. Queremos ajudar a promover o desporto e que um clube nas distritais tenha a possibilidade de utilizar a mesma ferramenta que um clube de topo utiliza", termina.

A cimeira tecnológica, de inovação e de empreendedorismo Web Summit nasceu em 2010 na Irlanda e mudou-se em 2016 para Lisboa, devendo permanecer até 2028 na Altice Arena (antigo Meo Arena) e na Feira Internacional de Lisboa (FIL), em Lisboa.

Nesta terceira edição do evento em Portugal são esperados cerca de 70 mil participantes de mais de 170 países.

Ler mais

Exclusivos

Premium

CPLP

Do ciclone às dívidas ocultas: as quatro tragédias de Moçambique

Ciclone Idai, escândalo das dívidas ocultas, conflito com grupos armados no norte e reconciliação lenta e pouco suave entre a Frelimo (no poder) e a Renamo (maior partido da oposição) marcam a realidade de Moçambique, país da CPLP com 29,7 milhões de habitantes que tem eleições gerais marcadas para 15 de outubro.