Wall Street negoceia em baixa no início da sessão

A bolsa de Nova Iorque negociava hoje em baixa ao início da sessão, no mesmo dia em que Moscovo reiterou não estar ligado ao inquérito sobre acusações de ingerência nas presidenciais 2016 nos EUA.

Às 14:48 (hora de Lisboa), o índice Dow Jones caía uns ligeiros 0,01% para 26.181,29 pontos e o Nasdaq cedia 0,34% para 7.544,46 pontos.

Por sua vez, o índice alargado S&P 500 fixava-se em 2.806,89 pontos, menos 0,25% do que na véspera.

Moscovo reiterou hoje que "não tem nada a ver" com o inquérito norte-americano sobre as acusações de ingerência russa na campanha para as presidenciais de 2016 nos Estados Unidos.

"Esse inquérito é uma dor de cabeça para os nossos colegas americanos. Não tem nada a ver connosco", disse o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, aos jornalistas, quando questionado sobre se a demissão do procurador-geral dos EUA, Jeff Sessions, na quarta-feira poderia influenciar a investigação do procurador Robert Mueller.

"Até agora, o que a comissão Mueller produziu dificilmente pode sustentar uma avaliação crítica séria", acrescentou Peskov.

O procurador-geral dos Estados Unidos, Jeff Sessions, demitiu-se do cargo na quarta-feira, a pedido do Presidente norte-americano, Donald Trump.

Numa mensagem na rede social Twitter, Trump anunciou que o chefe de gabinete de Sessions, Matt Whitaker, será o procurador-geral interino.

Na quarta-feira, a bolsa de Nova Iorque encerrou em alta com o índice Dow Jones a valorizar 2,13% para 26.180,30 pontos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.