Wall Street fecha sem rumo depois dos fortes ganhos pós-eleitorais

A bolsa nova-iorquina encerrou hoje sem rumo, abandonando parte dos avultados ganhos conseguidos na véspera, depois das eleições intercalares nos EUA, com pouca reação à manutenção das taxas de juro decididas pelo banco central.

Os resultados definitivos da sessão indicam que o seletivo Dow Jones Industrial Average valorizou 0,04%, para os 26.191,22 pontos.

Ao contrário, o tecnológico Nasdaq perdeu 0,53%, para as 7.530,88 unidades, à semelhança do alargado S&P500, que recuou 0,25%, para as 2.806,83.

"Os investidores deram um passo atrás, depois da forte alta que se seguiu às eleições intercalares", comentou Ken Berman, da Gorilla Trades.

Na quarta-feira, o Dow Jones fechou a ganhar 2,13%, o Nasdaq a subir 2,64% e o alargado S&P500 a valorizar 2,12%.

Livrados das incertezas que envolvem, por norma, as eleições intercalares (assim designadas porque são realizadas a meio do mandato presidencial), os três mais emblemáticos índices bolsistas dos Estados Unidos da América tinham tido, na quarta-feira, uma subida considerada exagerada por numerosos operadores do mercado.

O resultado eleitoral, que se traduziu na recuperação do controlo da Câmara dos Representantes pelos democratas e na manutenção do controlo do Senado pelos republicanos, foi o que a maioria dos investidores antecipava.

Com poucos elementos informativos a ponderar, fora o ligeiro recuo dos pedidos de subsídio de desemprego, os investidores esperaram com tranquilidade o comunicado final do banco central dos EUA, a Reserva Federal (Fed), cujo comité de política monetária concluiu hoje uma reunião de dois dias.

Sem surpresa, a Fed manteve a taxa de juro de referência no seu nível atual, situado no intervalo entre 2,0% e 2,25%, mas aludiu à possibilidade de "outras subidas graduais", a primeira das quais é esperada pelos investidores para o próximo mês.

Os índices bolsistas aceleraram a sua descida poucos minutos depois da divulgação desta decisão, antes de limitarem as perdas.

"Alguns esperavam um comunicado talvez mais prudente por parte da Fed sobre as taxas", afirmou Art Hogan, da B. Riley FBF.

Mas, segundo este operador, "nada de surpreendente saiu desta reunião".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.