Wall Street fecha em baixa clara por preocupações com economia mundial

A bolsa nova-iorquina encerrou hoje em acentuada baixa, fragilizada, depois de um fim-de-semana prolongado, por um aumento de inquietações sobre a economia mundial e das incertezas sobre as negociações entre a China e os EUA.

Os resultados definitivos da sessão indicam que o seletivo Dow Jones Industrial Average cedeu 1,20%, para fechar nos 24.408,82 pontos.

Mais fortes foram as perdas do tecnológico Nasdaq e do alargado S&P500. O primeiro desvalorizou 1,91%, para as 7.020,36 unidades, e o segundo 1,40%, para as 2.633,27.

Este acesso de fraqueza corresponde a uma consolidação normal depois de quatro semanas de forte alta, segundo Quincy Krosby, da Prudential. Assim, desde 24 de dezembro, o S&P500 já valorizou 13,6%.

Mas esta reação técnica foi alimentada pelas inquietações sobre o crescimento mundial.

O Fundo Monetário Internacional, por um lado, reviu em baixa as suas previsões de crescimento da economia mundial em 2019 para 3,5%, dada a persistência de tensões comerciais e do aumento dos riscos políticos.

A agência chinesa de estatísticas (BNS) anunciou, por seu lado, que o crescimento da segunda maior economia mundial no quarto trimestre de 2018 (6,4%) tinha sido o mais lento desde 2009. No conjunto do ano, o crescimento registado foi o mais lento desde 1990, ao ficar pelos 6,6%.

Ao mesmo tempo nos EUA, o braço de ferro entre democratas e a Casa Branca sobre o muro na fronteira com o México prolongou o encerramento parcial do governo federal.

Quando os índices já evoluíam claramente em terreno negativo, "o aparecimento de informações, durante a sessão, sobre a anulação de discussões destinadas a preparar a próxima série de negociações oficiais entre a China e os EUA lançou gasolina sobre o fogo", indicou Krosby.

Segundo o jornal Financial Times e a televisão CNBC, o governo de Donald Trump recusou ter esta semana reuniões com enviados chineses para preparar o terreno para a vinda de Liu He, o principal negociador comercial chinês, no final do mês.

"Os investidores inquietam-se por ver as discussões arrastarem-se e tornarem-se até mais complicadas", sublinhou Krosby.

A Casa Branca porém desmentiu as informações dos dois meios mesmo antes do fecho de Wall Street.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.